Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A PILINHA E O PIPI

por João Brito, em 23.11.21

poema ao morgado.jpg

Antes de prosseguir a narrativa, convém referir que o tema não sendo novo também não é velho por aí além (no caso, aquém), n'é? Contudo, estou ciente de que é susceptível de provocar alguma celeuma, como é natural. Isto, não obstante a educação sexual fazer parte do programa oficial de ensino desde tempos imemoriais. Nesse sentido, penso que o controlo parental é dispensável; até porque as crianças de hoje já não são as crianças de ontem (bela frase) e, partindo desta premissa, não as devemos aborrecer com falsos moralismos.
Por conseguinte, este texto pode ser lido em família e sem qualquer tipo de impedimento.
Depois desta curtíssima introdução, vou passar, então, à descrição taxinómica dos órgãos em epígrafe:
Ora, imediatamente, surgem os primeiros obstáculos. Isto porque existem órgãos externos e internos. Todavia, quando se mencionam, pensa-se, invariavelmente, nos que estão à vista desarmada, embora estejam ordinariamente tapados. No que concerne aos nomes que lhes atribuímos, são tantos que não sabemos por que ponta lhes devemos pegar. Desde torneirinha, pilinha, pirilau e piloca nos meninos, até pipi, rosinha, pombinha e rolinha nas meninas.
É claro que existem outras designações menos simpáticas que me recuso a transcrever por uma questão de decência e porque são sobejamente conhecidas do público em geral e do púbico em particular, não esquecendo o púdico, evidentemente.
Tudo o que a nossa imaginação permitir, poder-se-á assemelhar aos órgãos sexuais, sei lá, uma simples esferográfica, ou a cratera de um vulcão, sofás, lava-loiças, despensas, sanitas, banheiras, enfim, uma infinidade de coisas que não caberiam aqui. Portanto, e antes que este texto degenere, vou passar à frente.
Como descrever seriamente, e de uma forma geral, os órgãos sexuais? Uma questão sempre difícil para a perspectiva analítica do anatomista, dado que o acessório está inevitavelmente inserido na percepção do sujeito. Efectivamente, são órgãos que merecem descrições particulares. No caso dos órgãos sexuais masculinos as coisas podem atingir vários aspectos, conforme as circunstâncias. Por exemplo, em condições excepcionais, podemos considerá-los como órgãos extraordinariamente versáteis, capazes de assumir diversos feitios. Julgo que é suficiente para se ter uma compreensão abrangente da sua dissimilitude em relação a outros órgãos com menos visibilidade postural, mas não com menos apostura. Como no género feminino, em que os órgãos externos são diferentes e cuja atitude é mais subtil ou menos explícita – passe a redundância – como já devem ter presumido ou tido a oportunidade de constatar.
Depois da descrição ao pormenor, tratemos do tema da sua utilização ou seja, para que servem? Outra questão delicada. Peço desculpa àquelas pessoas mais recatadas, pela exposição dos órgãos de uma forma um bocadinho despudorada, mas, para simplificar a explicação vou designá-los por pilinha e pipi para não provocar muitos melindres.
Então é assim: A pilinha, se observarem bem (as pessoas obesas podem socorrer-se do vulgar espelho), está situada, mais ou menos, a um palmo abaixo do umbigo e serve para fazer chichi e perpetuar a espécie, segundo o conceito de um ex-deputado do CDS, João Morgado. O pipi é quase a mesma coisa, com uma ou outra nuance (mais uma vez, as pessoas obesas podem socorrer-se do espelho).
A pilinha e o pipi, quando estão pelos ajustes, são porreiros um para o outro. Toda a gente se lembra daquela quadra muito bonita que aprendeu nos primeiros aninhos de escola e que reza assim: A pilinha e o pipi, são dois amigos leais / quando o pipi está contente / logo a pilinha dá sinais. Lembra, certamente, claro!
E pronto, penso que, quanto à anatomia, descrição, classificação e utilização dos órgãos sexuais, mais haveria a dizer; o assunto não se esgota aqui, nomeadamente em relação ao sexo, mas, como sou oriundo de uma família de convicções e rituais profundamente religiosos, constrange-me falar abertamente sobre este tema sempre polémico. É que falar de sexo, oralmente, já é difícil; fará por escrito!
Isto é muito sério, como certamente devem ter-se apercebido. "Com o sexo não se brinca!" – já dizia a minha avó com a sabedoria que lhe era peculiar – , mas se não podemos brincar com o sexo, brincamos com o quê? Ora, bolas!

P.S: A talhe de foice, eis a resposta ao Morgado, da grande poetisa Natália Correia, antiga deputada parlamentar do PSD. Resposta relacionada com o facto de o sujeito ter dito, numa sessão do parlamento, em 1982, que "(...)o acto sexual é para se ver o nascimento de um filho":

Truca-Truca

Já que o coito – diz Morgado –
tem como fim cristalino,
preciso e imaculado
fazer menina ou menino;
e cada vez que o varão
sexual petisco manduca,
temos na procriação
prova de que houve truca-truca.
Sendo pai só de um rebento,
lógica é a conclusão
de que o viril instrumento
só usou – parca ração! -
uma vez. E se a função
faz o órgão – diz o ditado –
consumada essa excepção,
ficou capado o Morgado. 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D