Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

DOM AFONSO HENRIQUES

por João Castro e Brito, em 19.04.24

afonso henriques1.jpg

Eh pá, já escrevi tantas vezes sobre o nosso primeiro rei que, qualquer dia, isto pode vir a traduzir-se num caso sério de fixação obsessiva, quase um caso psicossexual, digamos assim.
Para si, que me lê habitualmente com muito prazer e, às vezes, até com alguma condescendência, aqui lhe deixo o meu mais veemente pedido de desculpa porque tenho receio de que estas coisas sejam os primeiros sintomas de TOC (transtorno obsessivo-compulsivo).
Bom, mas como o prometido é devido, penso que aqui há tempos deixei a promessa de analisar certos factos históricos de alguma relevância, como, por exemplo, saber que razão esteve por trás da dramática decisão de Viriato não se ter dedicado à filatelia. Todavia, como nem sempre se cumpre o que se promete, e na esperança de que me perdoe o incumprimento, resolvi voltar à carga com o Fundador da Nação.
Como você sabe, ou pelo menos tem a obrigação de saber, salvo se for ignorante, a Península Ibérica foi invadida por gajada oriunda de muitos lados.
Hunos ou Indivisíveis, Suecos, Visigordos, Energúmenos, Vândalos, Malandrinos, Hooligans e Mao Metanos (não confundir com Mao Istas*), todos eles deixaram as suas pegadas de carbono por aqui.
Os Mao Metanos (gente com fortes distúrbios gastrintestinais), Muçulmanos, Árabes, Sarracenos, Mouros e Jiahdistas, esses, instalaram-se um pouco por toda a parte, como se isto fosse o da Joana, criando praças fortes, como Santarém e Lisboa.
Ora, isto foi um bom pretexto para Afonso Henriques consolidar a sua vontade férrea de ser o dono disto tudo e vir por aqui abaixo feito um desenfreado, cheinho de vontade de dar uma carga de porrada a esta malandragem e, naturalmente, espalhar a fé de Cristo.
Órfão de pai aos três anos e homem de vistas largas, apesar de usar óculos, travou o passo ao filho da puta do Dom Peres (efectivamente, Dom Peres era filho de uma mulher de maus costumes. Isto, de acordo com os padrões morais daqueles tempos; está devidamente documentado nos arquivos históricos da Torre do Tombo), armou-se em cavaleiro de corrida (não confundir com carapau de corrida) e fez-se ao caminho à frente de um numeroso exército.
Chegou muito antes dos outros e tomou Santarém aos Mouros, com a ajuda de um copo d'água. É o que faz a sede de glória.
Pouco tempo depois, tomou Lisboa com a ajuda de muitos escudos e muitas lanças. É claro que com muitos cruzados também. Evidentemente que nada disto nos admira, dado que o cruzado era moeda de troca na altura.
O poder de Afonso Henriques consolidou-se a olhos vistos. A sua fama chegou além fronteiras. De toda a parte choveram louvores. Geraldo Geraldes a todo o vapor e sem pavor, por exemplo, ofereceu-lhe Évora, para perpetuar os seus feitos. Porém, Afonso ficou muito decepcionado com a oferenda, dado que a Praça do Giraldo não passava de um projecto e a cidade estava reduzida a um simples templo romano.
Conflituoso, o nosso primeiro rei, até com o papado teve bate fundos de ferver em pouca água.
A coisa tomou tais proporções que a designaram de "bulha papal".
No decorrer do seu longo reinado, o nosso rei teve tempo pra tudo: derrotou os mouros em Campo de Ourique, após um encontro com um ancião que se havia cruzado com ele, garantindo-lhe que a vitória estava no papo; fundou o Instituto Superior Técnico da Universidade de Lisboa, ao cimo da alameda com o seu nome, símbolo da sua megalomania, e posou para selos de 5 tostões, comemorativos do seu septuagésimo aniversário (actualmente, fora de circulação).
Contudo, muito fica por dizer a respeito de Afonso Henriques. Pelo menos, por agora. Por exemplo: a sua cota de malha era de pura lã virgem ou era uma merda feita na China?
E o tratado de Zamora? Terá sido assinado em cruz? É consabido que Afonso só tinha completado a quarta classe do ensino primário, e com muita dificuldade, mas lá cristão era ele!...
E mais: teria o senhor a noção de que estava a fundar Portugal (não confundir com "afundar Portugal" que é o que os políticos têm andado a fazer desde o 25 de Abril)?
E a derradeira pergunta: terá Afonso Henriques enriquecido ilicitamente ou também terá sido enganado pelo Ricardo Salgado com a aceitação dos tais 253 mil euros de financiamento do BES?
São perguntas que vão ficar eternamente sem resposta, dado que Afonso I morreu em dezembro de 1185, segundo rezam as crónicas, desconhecendo-se as causas exactas da sua morte, mas sabe-se que contava 76 anos, idade muito avançada para aquela altura, e sofria muito de gota.
(*) Os Mao Istas, vieram a estabelecer-se definitivamente em Portugal, ainda no século XX, contribuindo para a disseminação das famosas lojas dos 300.

Autoria e outros dados (tags, etc)

BREVES REFLEXÕES SOBRE HISTÓRIA (Episódio II)

por João Castro e Brito, em 19.03.24

cristóvão colombo.jpg

Na história, nada acontece por acaso. Todos os factos têm as suas interligações e os seus antecedentes lógicos. Isto até pode parecer uma banalidade ou algo que você já leu ou escutou em qualquer lado, mas vou tentar explicar como a importância de lugares comuns como este, pode transcender a nossa compreensão.
Imagine, por exemplo, se tivesse sido da Vinci a inventar a marmita de Papin; ou Newton a estabelecer o princípio de Pascal; ou Vasco da Gama a fazer a primeira viagem de circum-navegação. Onde ficaria isto tudo? Onde ficaria ou como seria, por exemplo, o estreito de Magalhães? Chamar-se-ia estreito de Magalhães? Provavelmente seria conhecido por estreito de Gama...
Ou se fosse Bertolt Brecht a inventar as pancadinhas de Moliére? Ou, ainda, a chef Cátia Goarmon a explicar, na 24Kitchen, como se faz uma salada de bacalhau salgado desfiado à mão (vulgo a dita cuja)? Ou se Bonaparte tivesse nascido no Egipto, filho de um humilde pescador do Nilo, e tivesse seguido as suas pisadas? Provavelmente, as invasões francesas não teriam existido e Junot, Soult e Massena não teriam levado a cabo milhares de acções de confisco, saque e destruição do nosso património cultural, jamais devolvido; e a Família Real Portuguesa não teria fugido para o Brasil, com o rabinho entre as pernas, deixando os portugueses entregues ao seu trágico destino; e não teriam entrado em Portugal os ingleses (outros saqueadores que tais), sob pretexto de expulsar os franciús, ao abrigo da "Mais Antiga Aliança do Mundo". Se bem que, sem as invasões francesas, Brites de Almeida seria, historicamente, uma ilustre desconhecida.
Até pelo exemplo da padeira de Aljubarrota, continuo convicto de que, na história, tudo é fruto do destino.
Ao contrário do que se pensa, Cristóvão Colombo não descobriu a América por acaso, mas antes por engano. E o que é o engano a não ser o destino? Calma que eu explico:
Diz-se que quando pisou o solo do Novo Mundo, pensou que tinha chegado à Índia. E porquê? – pergunta você com toda a legitimidade – Porque quando viu tanta gente desnuda e de pele vermelha a vir ao seu encontro, decidiu, ali mesmo, apelidá-la de índia. É claro que incorreu num equívoco, mas o que seria de Billy The Kid, Búfalo Bill e até do Grande Chefe Apache, Geronimo, se Colombo não se tivesse enganado? Ou se tivesse chamado americanos aos índios, como se chamariam, hoje, os americanos?
Regressemos à nossa História: Suponhamos que o 25 de Abril foi em Agosto. Como poderíamos falar dos Capitães de Abril?
E se os capitães fossem generais? Ou notários? Ou até mesmo carteiros? Soaria muito mal dizer-se que os Carteiros de Abril tinham derrotado o regime de Caetano em Agosto. Isto, sem desprimor para a nobre e quase extinta profissão de carteiro.
Pior soaria se Caetano se chamasse Óscar. Já pensou quão feio constaria se se tivesse derrubado um regime oscarista? Mesmo se, no caso, os capitães fossem carteiros e o 25 de Abril fosse em Agosto, hã?! Está a ver?
Suponhamos, agora, que Spínola era um autóctone australiano. Como poderia o senhor ter participado no 11 de Março? E se os acontecimentos de 11 de Março tivessem ocorrido nas montanhas dos Himalaias? Ou se os capitães fossem delegados de propaganda médica? Se o 25 de Abril fosse em Fevereiro? Se Caetano fosse José Vitalício Barbosa, caldeireiro, que não é tido nem achado nesta história? Se Afonso Henriques nascesse daqui a uma semana? Se Cavaco Silva fosse um parente afastado do Nosferatu? Se Cristóvão Colombo tivesse achado a Ilha da Madeira, ao invés de João Gonçalves Zarco, Tristão Vaz Teixeira e Bartolomeu Perestrelo? Se Dom João VI tivesse pedido asilo político aos Camarões?
Como certamente inferiu, o encadeamento dos factos, às vezes, é difícil, mas a história também nunca foi fácil, n'é verdade? Olhe, o CC que o diga! Por isso é que teve uma vida curta, coitado! Dizem que foram desgostos de amor...

Autoria e outros dados (tags, etc)

A MINHA VELHA ESCOLINHA

por João Castro e Brito, em 23.02.23

a minha velha escolinha.jpg

Há uns anitos, tinha publicado um texto acerca da minha velha escolinha, num blogue que jaz morto e arrefece. Há factos que nos marcam de tal forma para sempre que vão permanecer até a nossa memória começar a falhar. Assim, recupero um artigo que tenho muito gosto em partilhar com quem passar por aqui pra deitar o rabo de boi a isto.
Como ia a dizer, a minha querida e velha escolinha, felizmente, continua lá, de pedra e cal e em actividade. Se bem que um pouco descuidada. Pelo menos, continuava quando me deu uma fúria de saudade e fui visitá-la há meia dúzia de anos.
Tinha deixado de cumprir o seu papel básico, mas fundamental, de ensinar as primeiras letras e os primeiros algarismos aos meninos. Todavia, a mudança não foi menos nobre, pois passou a ensinar a representar. Sim, era (não sei se continua a ser) uma escola de teatro.
Mas, volvendo à vocação original da minha velha escolinha: Foi lá que, como disse, aprendi as primeiras letras e os primeiros algarismos. Além disso, aprendi que Portugal era o melhor país do mundo e que vencera todas as guerras travadas com a Espanha.
Aprendi que era um país de gente boa e muito cordata e que o Presidente do Conselho de Ministros, António de Oliveira Salazar também era boa pessoa e zelava pelo bem estar de todos os portugueses. Assim como o Cardeal Patriarca de Lisboa, Manuel Gonçalves Cerejeira, de quem era muito amigo.
Aprendi que as meninas e os meninos não podiam estar juntos nas escolas. Por isso, no meu tempo, haviam as escolas masculinas e as escolas femininas. E até havia uma escola feminina, paredes meias com a minha velha escolinha, onde estava a minha primeira namorada, a Fernanda, que também morava na minha rua; na nossa rua a bem dizer.
Aprendi, com a Fernanda, a dar o primeiro beijo. Quer dizer: não aprendi com ela. Ou por outra: aprendemos juntos. E também íamos juntos para as nossas escolas, mas não íamos de mãos dadas porque ela era mais alta do que eu e eu tinha vergonha de ir de mãos dadas com a Fernanda. Coisas de miúdos.
Foi na minha velha escolinha que, pela primeira vez, senti nas palmas das mãos o efeito doloroso das reguadas. Também senti o efeito discriminatório dos "métodos" de ensino de alguns professores ao separarem os meninos, nas salas de aulas, em "filas dos burros" e "filas dos espertos".
Também foi lá que comi a sopa que era destinada aos meninos pobres, com a condição de tomar uma colher de óleo de fígado de bacalhau. Havia fome e raquitismo em Portugal. Era em 1959 e eu era um menino pobre...
Foram tempos que não se recuperam, mas quando passei por lá, percorrendo os mesmos caminhos que percorria quando tinha sete anos, pareceu-me não ter decorrido muito tempo e são daqueles momentos que dão uma vontade tramada de chorar, mas de chorar descontroladamente.
Quando me der na bolha, se ainda cá estiver, faço mais uma romagem de saudade até à minha velha escolinha para sentir uma estranha, mas boa nostalgia da minha infância: pobre, mas feliz. Sim, posso dizer que, por muito paradoxal que pareça, tive uma infância feliz.
E, mais uma vez, aqui fica o testemunho e os meus eternos amor e gratidão à minha velha escolinha.

Autoria e outros dados (tags, etc)

BREVE REFLEXÃO SOBRE O NOSSO PASSADO HISTÓRICO

por João Castro e Brito, em 30.06.22

dom afonso henriques2.jpeg

Sei que já escrevi acerca deste tema, algures, mas a minha memória já não é a que era dantes e, por muitas voltas que dê à canhola, não descortino onde a publiquei. No entanto, permita-me, meu caro ou cara, abusar da sua infinita paciência ou, se preferir, não leia. Fico-lhe, na mesma, muito reconhecido.
Aqui vai mais uma reflexão sobre a nossa História, assunto sobre o qual me dá muito gozo escrever, na presunção de que seja, igualmente, do seu agrado, se passar por aqui.
Propus-me, desta feita, analisar algumas ocorrências mal esclarecidas, do nosso passado histórico, nomeadamente as relacionadas com o dilema de Viriato, que nunca se soube qual era, ou a razão que levou Sertório a não optar pela dupla nacionalidade. Mas nem sempre o prometido é devido, por várias circunstâncias, e, como se tem de começar qualquer coisa por algum lado, vou tecer alguns considerandos sobre o tema, fazendo uma referência especial ao nosso primeiro rei, Dom Afonso Henriques que parece-me não ser inédita, mas pronto, espero que me perdoe se for recantada.
Afonso I, de Portugal, como sabe, foi o fundador deste lindo torrãozinho à beira-mar plantado.
Como também tem obrigação de saber, a Península Ibérica, nomeadamente a sua parte mais ocidental, a Lusitânia, foi invadida por inúmeros povos, entre os quais destaco os Hunos e Indivisíveis, os Suecos (foram eles que introduziram a sueca em Portugal), os Vândalos ou Holligans, os Visigordos e os Jihadistas ou Sarracenos (sublinho que estes últimos já cá estavam há muito tempo).
Essa súcia de malandros, proveniente de várias latitudes, fixou-se em várias zonas do território que viria dar origem à nossa nacionalidade. Uns ficaram-se pelo Fundão e outros fundaram cidades como Santarém e Lisboa. Isto foi porreiro para Afonso Henriques e já lhe explico porquê, se souber e não me esquecer (vou mudar a àgua às azeitonas)...
 
Prosseguindo: Orfão de pai desde tenra idade, o nosso primeiro rei armou-se em cavaleiro quando atingiu a maioridade e começou por travar o passo ao Dom Peres de Trava, um galego que se tinha juntado em mancebia com sua mãe, Dona Teresa de Leão, uma dissoluta dos quatro costados.
No momento oportuno, ajustou contas com ambos na batalha de São Mamede em mil cento e qualquer coisa.
Já rei, à revelia do Papa (rejeitava a vassalagem), veio por aqui abaixo, montado num lindo corcel e, à frente de um numeroso exército de bravos guerreiros, antecipou-se aos demais conquistadores e tomou Santarém aos mouros. Depois desta estrondosa vitória, animado pelo feito e cheio de élan, avançou em direcção a Lisboa e, graças ao sacrifício de Martim Moniz(*) e ao precioso apoio dos cruzados da Ordem Equestre, estes últimos sob condição de virem a cavalo, também tomou aquela que é, efectivamente, o "Berço da Nação", ao invés de Guimarães, como alguns especuladores pretendem fazer crer. Aliás, basta consultar o tratado sobre Portugal Medieval, do Professor José Mattoso.
O poder do rei consolidou-se a olhos vistos e choveram elogios de todos os quadrantes políticos e partidários, particularmente dos partidários da sua causa. De tal modo que Geraldo Geraldes ofereceu-lhe a Praça do Giraldo, de mão beijada e sem qualquer pavor.
Ainda, no decorrer do seu longo reinado, Afonso Henriques teve grandes dificuldades para expulsar os restantes jihadistas islâmicos de Lisboa porque os gajos eram mais que as mães, por assim dizer. Mas, mesmo assim, teve tempo suficiente para correr com eles de Campo de Ourique; Campo Grande; Entrecampos; Conde de Redondo (Conde de Redondo é rua, mas que se lixe); Campo Pequeno; Campo Mártires da Pátria; Campolide; Campo Santana; Campo das Cebolas e se mais campos houvera lá chegara.
Para além disso, e já nas lonas devido ao avançar da idade (setenta e nove anos era uma idade muito provecta para aquela altura) e aos maus fígados associados às crises de gota (segundo as crónicas de antanho, Afonso pelava-se por aguardente de medronho), ainda teve tempo para inaugurar a Alameda, atribuindo-lhe o seu nome, narcisista como era.
Muita coisa fica no ar a seu respeito. Sei lá, olhe por exemplo: ainda há dúvidas sobre a sua cota de malha; se seria de pura lã virgem ou uma porcaria feita na China; ou como trataria o seu filho na intimidade do lar: se por Sancho, Sanchinho, Sanchocas ou, simplesmente, "pá"; ou se, porventura, terá assinado o Tratado de Zamora em cruz, sabendo-se que era um Cristão Democrata ferrenho.
No último estádio da sua vida, jamais se saberá se ele ainda teria a noção de ter fundado Portugal.
Finalmente e não menos importante: será que o nosso primeiro rei, enriqueceu à pala do seu reinado ou também foi enganado pelo Ricardo Salgado? São questões que ficam no ar, ad aeternum...
 
(*) É consabido que, se o pobre Martim não os tivesse entalado nas portas do castelo de São Jorge, para dar passagem às nossas tropas, Lisboa não teria sido conquistada com tanta ligeireza. É da História.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A TODOS OS HABITANTES DOS MARES DE PORTUGAL

por João Castro e Brito, em 06.12.21

a todos os habitantes dos mares de portugal.jpg

Esta é a grande novidade há muito tempo almejada pela população submarina e sucessivamente adiada por motivos que não vêm ao caso, mas, em todo o caso, deve-se salientar que foram objecto de negociações aturadas com alguns parceiros sociais, às quais não faltou a indispensável peixeirada e a inevitável salgalhada.
Apesar do momento não ser o mais adequado, entendeu o senhor Ministro dos Mares e das Marés, Doutor Marinho do Ó Carapau, avançar com o projecto. E julgamos que o fez por estar de maré, mesmo estando a "remar contra a maré", segundo a oposição. Os escamados do costume, enfim...
Sempre atento aos anseios da comunidade marinha, ou ele não fosse marinho e não obstante a maré estar baixa, dado que o mar atravessa uma maré de azar, decidiu, finalmente, fazer aprovar por unanimidade, com algumas trocas de solhas e muita caldeirada à mistura, uma medida de apoio extraordinária que vai de encontro às expectativas da generalidade dos seres subaquáticos: mandar construir o Lula Parque, aproveitando a reserva extraordinária do Fundo Marinho de Investimento (FMI).
A consecução desta obra vem preencher uma enorme lacuna (não confundir com laguna) no panorama lúdico-subaquático nacional.
Em verdade verdadíssima, dentro em breve, vai ficar tudo em polvorosa (deve pronunciar-se polvo rosa).
Será obra feita para que nos possamos divertir à brava no Lula Parque. Longe vão os tempos em que se faziam obras de fancaria e, ademais, de Santa Ingrácia!
Podemos andar às voltas, sem cessar, nos carrissóis de camarão, conduzir carrinhos de chocos, visitar o Submarino Nautilus do Capitão Nemo e deixarmo-nos tactear nas escamas, barbatanas e conquilhas, por ventosas de górgonas tailandesas, com a garantia, devidamente certificada, de finais felizes. Contudo, não há bela sem senão: Segundo a mitologia grega, as górgonas tailandesas são muito feias e más como as cobras. Logo, não devemos encará-las sob risco de ficarmos petrificados ou, na pior das hipóteses, sermos transformados em caras de bacalhau.
Ficaremos sem pinta de sangue nas guelras quando deslizarmos vertiginosamente na montanha russa do Canhão da Nazaré.
Pescadinhas ciganas de rabo na boca ler-nos-ão a sina na palma das barbatanas! Vai ser um fartote de prazer no Lula Parque! Garanto-vos pelas alminhas das belas nereidas a quem Camões, num momento de insuflação criadora, chamou Tágides.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A RESERVA DAS CRISES PODE ESGOTAR

por João Castro e Brito, em 10.10.21

a crise1.jpeg

Após uma reunião extraordinária do conselho de ministros, chegou-se à conclusão geral e consensual de que as crises anteriores foram brutais, mas não inesgotáveis. Talvez se tivesse abusado um bocadinho, digamos assim. Todavia, foi tudo feito com muita transparência e dentro da legalidade constitucional; aliás, como é apanágio de qualquer sociedade democrática que esteja habituada a conviver com as crises. É claro que houve uns ou outros, mais impetuosos, que exigiram que se apurassem responsabilidades. Porém, não passou de uma boca circunstancial e as bocas circunstanciais valem o que valem, graças a Deus. Até houve alguém que disse energicamente para se calarem, pelo que recebeu bastantes aplausos da maioria dos presentes. Um deles lamentou que, de uma forma ou outra, se tenha contribuído para a delapidação das crises com tanta acumulação, quando o pensamento da maioria era de que havia abastecimento para muito tempo e que até dava para exportar o excedente para outros países que também precisados estavam. Isto, para além da imprevidência de nunca se terem segurado as crises contra danos próprios. É uma falha irrevogável e, como tal, imperdoável para qualquer crise, venha ela de onde vier! "Irrevogável", foi um termo muito badalado por quase todos os presentes, acérrimos promotores das crises, que afirmaram ter andado a gastar acima das suas possibilidades há muito tempo.

Por enquanto, não foi emitido qualquer comunicado oficial sobre esta reunião, ficando no ar a grande questão: o que é que vai acontecer se se confirmar que a reserva das crises vai esgotar. Até já há quem especule, nomeadamente os soalheiros do costume que, feitas as contas, vamos ter de apertar mais os cintos por via de outra crise que se avizinha. São tão parvos, valha-lhes Deus! Então para que serve a "bazuca"?

Autoria e outros dados (tags, etc)

ADORO FAZER SEXO COMIGO

por João Castro e Brito, em 02.10.21

sexo comigo.jpg

Gente lambareira! Queriam sexo, n'era? Em próximo artigo faço-vos a vontade. Hoje não estou virado para aí. Antes, vou debruçar-me sobre um assunto que, embora pareça banal é mesmo trivial, acreditem! Sobretudo, se fizermos uma análise da sucessão cronológica de eventos ou factos que, por qualquer incidente da História nos pudessem ter desviado do caminho exemplar que, como nação, temos vindo a percorrer. Gostaram? Também acho que é um excelente exórdio.

Todavia, penso que a importância da reflexão que se segue é eminentemente parda, como irão ter oportunidade de constatar.
Imaginemos por breves instantes, no domínio da ficção (óbvio, dah!), que a terceira ilha do arquipélago dos Açores a ser descoberta, tinha sido a ilha do Corvo. Chamaríamos, então, Terceira à do Corvo e Segunda à Terceira? Topam? Ou tentaríamos rodear a questão, chamando à do Corvo a primeira Terceira e segunda Terceira à Terceira. Perceberam, até aqui, onde é que quero chegar? Problemas idênticos poderiam ter alterado o nosso percurso histórico se tivesse sido o Vasco da Gama a atravessar o estreito de Magalhães, ou ainda a Maria de Lurdes Modesto a cozinhar pela primeira vez Bacalhau à Zé do Pipo.
Se Afonso Henriques tivesse nascido em 1499, como poderia ter sido o fundador da nacionalidade? E se só a tivesse fundado nessa época, como poderíamos ter, actualmente, quase nove séculos de História? Mais, ainda: de que serviria ao primeiro rei de Portugal conquistar Lisboa aos Sarracenos, se os gajos não tivessem, ainda, invadido a Península Ibérica? E onde ficariam os tintins do Martim Moniz na História, se a infantaria lusa não tivesse irrompido pelo castelo de São Jorge adentro? Convenhamos que, se o herói e mártir da tomada de Lisboa não os tivesse entalado nas portas do castelo, tomar a cidade aos Suevos, aos Hunos, aos Visigordos, aos Vândalos, ou até, mesmo, aos Energúmenos não teria a mesma graça.
Já agora, seguindo a mesma linha de raciocínio lógico, já imaginaram, também, como há por aí tanto amor desencontrado, perdido, esquecido? Não?...Têm a certeza?... Vejam lá, se precisarem de um ombro amigo, estou aqui, não se façam rogados!

Autoria e outros dados (tags, etc)

MAIS UMA ACHEGA PARA A HISTÓRIA DE PORTUGAL

por João Castro e Brito, em 01.10.21

dom afonso henriques.jpg

João Ratão 21.01.18

Confesso que, quando escrevi o primeiro artigo sob a epígrafe, nunca pensei que ia ter de retorno tanto élan mediático e tanto carinho para continuar. Simultaneamente, também senti o apelo sagrado dos nossos heróicos antepassados e a pressão expectante dos que hão-de vir depois de mim e, só assim, tive a percepção extra-sensorial de que tenho o dever de prosseguir na valorização da nossa História que anda tão arredada do conhecimento geral. Para além do mais, é reconfortante pensar que passo, mas o meu legado permanecerá perene, "per saecula" (segundo o tradutor do Google que eu de latim pesco zero).
Depois de tudo isto - e não é pouco - cada vez que me olho ao espelho, vejo reflectida a imagem de um gajo feliz porque tem a perfeita noção de que está a prestar um enorme serviço à folha, analisando e dissecando os factos mais significativos cá do burgo.
A seguir a este intróito, facilmente digerível, prossigamos, então, na demanda do saber da História Pátria.
Debrocemo-nos só um bocadinho (sem exagero) sobre a primeira dinastia, nomeadamente acerca de Dom Sancho I que, como sabem, era filho do primeiro rei de Portugal: Que espécie de garanhão teria sido, para merecer o cognome de "O povoador"? E o que seria de Portugal sem o seu - digamos - contributo?
É fácil de pressupor que seríamos um país deserto, com meia dúzia de mouros convertidos ou, pelo menos, envergonhados, e alguns cristãozitos novos espalhados por esta bestial imensidão territorial que o Afonso Henriques nos legou. Sim porque nos primórdios da nacionalidade já a Santa Inquisição fazia das suas para garantir uma fé católica com um elevado nível de qualidade, perseguindo, torturando e matando malta das minorias étnicas a torto e a direito, nomeadamente mouros e judeus. Era ver os malvados católicos, uns espertalhaços do caraças, a incitar à violência contra as mourarias e judiarias. É indescritível porque era uma carnificina pegada. Palavra, juro que isto não é ficção!
Ninguém escapava às malhas do Santo Ofício. Aliás, a bula emitida pelo Papa Alexandre III, a 23 de Maio de mil cento e qualquer coisa (é consultar a História da Vida Privada em Portugal, do Professor José Mattoso), que declarou o Condado Portucalense independente do Reino de Leão, reconhecendo o tratado de Samora Correia (não confundir com Samora Machel, cujo foral só lhe seria atribuído, séculos mais tarde), só teve efeito retroactivo quando Afonso Henriques se comprometeu, sob a honra de sua mulher, Dona Matilde condessa de Sabóia e Maurienne, a expulsar os jihadistas islâmicos do reino de Portugal (o dos Algarves ficaria para mais tarde) e a converter os gentios à fé cristã, a bem ou a toque de caixa. Mas regressemos a Dom Sancho I; divaguei novamente, peço desculpa.
Pacientemente, Sancho (não confundir com o Pança que só viria a nascer uns séculos mais tarde) andou por aqui e por acolá a povoar feito um obstinado, a encher ventres de Sanchinhos e Sanchinhas, dando desse sacrifício um exemplo de abnegação aos assépticos e escassos habitantes da novel nação.
Consequentemente, só bastante mais tarde é que Carlos I teria sido alvo de regicídio e, por conseguinte, seria implantada a república que teve em Aníbal Cavaco Silva o expoente máximo do seu esplendor (da república, evidentemente).
Muito tempo depois ou talvez antes, quem sabe, Thomas Edison substituía os candeeiros a petróleo da sua casa por lâmpadas eléctricas o que foi considerado, na época, uma inovação muito engenhosa.
Seria imperdoável omitir, aqui, o papel predominante e igualmente inovador do nosso rei Dom Dinis que, mais ou menos na mesma ocasião, mandou plantar o pinhal da Azambuja, conseguindo com essa ideia megalómana, mas deveras avançada para a altura, deter as areias movediças da Ericeira que ameaçavam soterrar o planalto de Santarém.
Dinis era um tipo muito cultivado e um excelente trovador, como é consabido; está escrito. Porém a sua grande paixão foi sempre a agricultura. Para o rei lavrador, amanhar a terra era trigo limpo e favas contadas e, contra isso, batatas. A talhe de foice, convém recordar que foi ele que inventou um analgésico (não confundir com medicamento para as hemorróidas) à base de essência de batatas, dado que o Paracetamol - passe a publicidade - só seria comercializado séculos mais tarde.
Os contemporâneos do rei, diziam que era uma pessoa muito à frente, porém muito simples e muito querida do povo. Todavia não acreditava em milagres. Míope como era, não via com bons olhos as acções caritativas de sua esposa, Dona Isabel de Herédia, mais tarde morta e muito mais tarde santa.
Vale a pena recordar, um tanto, aquele milagre que ficou para a História, lembram-se? A cena em que o rei interpelou a rainha, querendo saber o que é que ela trazia escondido no regaço e Dona Isabel, naturalmente atrapalhadíssima, teria respondido que eram "pepinos, meu senhor!" e, deixando cair o regaço - salvo seja - logo se soltaram doze lindas pombinhas brancas que esvoaçaram graciosamente até às cabecinhas dos pobrezinhos que a ladeavam e que, instantaneamente, se transformaram em "burritos" de peitinhos de pomba. Milagre puxa milagre, sabem o que é? O resto já tinham obrigação de saber...
Depois deste episódio singular e muito comovente, e vencido o rei, embora não convencido, lá teve que dar a mão à palmatória, lançando as raízes da provedoria da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, nomeando para o efeito uma personagem enigmática, mas - dizia-se - com vastos pergaminhos nesse domínio, um plebeu sem brilho chamado Pedro Santana Loló. Parece ter sido uma decisão leviana do rei, mas, enfim, era lá com ele, o homem era soberano.
Entretanto devem ter havido montes de batalhas com os mouros, conflitos de interesses com os castelhanos e demais chatices. Porém, se quiserem aprofundar os vossos conhecimentos acerca deste e de outros episódios marcantes, sugiro que consultem também o Compêndio de História Medieval do Professor Mattoso.
Apesar de tudo, é de primordial importância esmiuçar os meandros, reflectir sobre os factos, meditar, por exemplo, sobre a sucessão dos reis desta dinastia tão decisiva para a independência nacional.
Voltando a Dom Dinis, suponhamos, só a título de curiosidade, que o rei já lavrava muito antes de Afonso conquistar Lisboa ao Estado Islâmico ou que Fernando poderia ser gordo, sendo um gajo formoso, ou que Afonso II, sendo gordo, poderia ser povoador ou mesmo Pedro I que, apesar de cruel, poderia ser gordo, borgonhês, povoador ou lavrador.
Suponhamos, ainda, que Teresa de Leão, uma aleivosa do piorio, com a qual seu filho, Afonso Henriques, não ia à bola, dobrava o Cabo das Tormentas, casando-se depois em segundas núpcias com o "doutor" Caçoleta Apara Relvas. Teríamos a primeira dinastia toda desordenada e não surgiria, possivelmente, esse período que foi, talvez, o mais belo da nossa História e que mereceu o nome de Interregno. Dá para reflectir um pouco, vá lá, puxem pelas cabeças!
E pronto; depois de mais esta achega, prometo que, brevemente, tentarei demonstrar como os portugueses, dispostos em dodecaedro regular, derrotaram os fenícios em Alcoentre, graças a um incontestável (não confundir com Condestável) entusiasta dos jogos de estratégia, Dom Nuno Álvares da Câmara Pereira. Séculos após essa famosa batalha épica, reinventou-se uma nova e próspera nação que culminou no milagre económico actual, tão elogiado por um ministro teutão que, quiçá, num momento de epifania, imaginou ver Mário Centeno na pele do CR7. Vai daí que o 'nomeou' ponta de lança da selecção europeia; não é bestial?! Esperemos que se porte na ponta da unha e não desate a dizer que alguns colegas estoiram a massa em noitadas, putas e vinho verde...
Finalmente, e contrariamente ao que se esperava, o país está porreiro porque alguém, num acaso oportuno e feliz de profunda inspiração, apelidou esta maravilhosa reinvenção de "geringonça". Assim, o alento me ilumine, também, as ideias...

Autoria e outros dados (tags, etc)

PORTUGAL DE ABRIL

por João Castro e Brito, em 15.04.21

portugal de abril.jpeg

Penso, embora como sempre sem certeza, que a generalidade das pessoas sabe que Portugal, independentemente dos actores do poder e das doutrinas políticas que o têm norteado, criou uma casta, até hoje irremovível, de sacerdotes; uma espécie de guardiões do (seu) templo que, como tal, têm resistido ao longo de gerações a alterações do seu estatuto. E quando refiro o termo "ao longo de gerações", quero dizer que é código que persiste desde tempos afonsinos. Quando mais não seja para perpetuar anos de constantes favores intra-casta e por conta das contas públicas (vulgo o nosso dinheirinho).
Pode ser esse costume e as defesas intransponíveis que em torno dele criaram, o que os tem livrado do ónus da justiça. Esse, somente reservado aos que não movem influências e também àqueles que estão "predestinados" a servirem de exemplo da incorruptibilidade dos princípios em que assenta a "democracia". No mínimo, do fim de um feliz estilo de vida que o mérito por si só, em igualdade de direitos e deveres com os restantes cidadãos, não o garantiria necessariamente.
E pronto, vem mais este desabafo a propósito de quê? Raios partam esta memória! Ah, a propósito do desfecho, mais que previsível, de um processo que se andou a arrastar durante sete anos: a tal "Operação Marquês", com um juiz a demolir a acusação com epítetos como " fantasiosa, inócua, pouco rigorosa" e outras pérolas de deixar estupefacto quem esteve presente no Campus de Justiça, dia 9 de Abril de 2021.
Sete anos e vinte e oito arguidos. No final desta tragicomédia nacional, apenas cinco vão a julgamento por indício de crimes onde não se inclui a palavra corrupção. Adivinha-se mais um arrastar da coisa, com o MP a recorrer da "decisão instrutória" e os advogados dos indiciados a acusarem o MP de manipulação da Justiça, enfim, o folclore habitual. Prevejo um processo com mais um acrescento de milhares de páginas. Quiçá lhe mudem o nome para Operação Marquesa.
‌Com sorte, para os restantes pobres arguidos, pode ser que prescreva...
Um bom pretexto para os novos fascismos se arvorarem em moralizadores do sistema...
Ai, o meu pobre país de Abril!

Autoria e outros dados (tags, etc)

A NOSSA BOMBA ATÓMICA

por João Castro e Brito, em 21.01.21

a bomba atómica portuguesa.jpg

Como me sobra muito tempo para pensar, tenho andado cá a cismar com uma ideia e decidi revelá-la só pra vocês. Sei cá; há coisas q'a gente não pode, simplesmente, guardar, mesmo que sejam falsas e, afinal, a falsidade até está na moda, n'é? Aliás, segundo Descartes que, como sabem, era um filósofo céptico c'mo caraças, as ideias são o produto de uma imaginação febril e, nessa perspectiva, existe uma necessidade imperiosa de as partilhar com alguém.
A relevância deste sentimento de identificação, digamos assim, prende-se com um aspecto de primordial importância para a nossa sobrevivência como país soberano. Se é que as pessoas ainda têm alguma noção do seu significado. Trata-se, obviamente, de um elemento fundamental para a nossa continuidade como nação independente.
Ora, a minha convicção é a de que estamos muito desprotegidos. A nossa defesa e integridade territorial andam um bocadinho à deriva; não conseguimos impor respeito, inclusive àquelas couvinhas de Bruxelas, e acho que é uma situação muito comprometedora para a nossa credibilidade internacional e, por conseguinte, deixa-nos muito expostos.
Penso que devíamos por cobro, de forma exemplar, a essa falta de consideração. Todos querem botar a pata em cima de nós e não pode ser! Temos de acordar deste maldito sopitamento que nos persegue há séculos! O que lá vai, lá vai. É tempo de olharmos em frente e fazer cumprir Portugal como dizia uma pessoa muito importante, cujo nome não me ocorre de momento.
Assim, lembrei-me da história dos submarinos e surgiu-me uma ideia que julgo que seria do agrado das altas patentes militares, nomeadamente do almirantado e do generalato.
Estou convicto de que ainda há patriotas, sabendo, contudo, que nos debatemos com uma crise de falta de patriotismo que até dá dó! Ao menos valham-nos as honrosas excepções dos políticos da nossa praça, designadamente, aqueles valorosos que estão lá fora, há uma porrada de anos, a lutar pela Pátria no Parlamento Europeu.
E é aqui que entra o conceito que está na base deste artigo: a bomba atómica. Pergunto porque carga d'água é que há países que têm bombas atómicas e nós não? Vá, expliquem-me! Lá porque somos pequeninos não significa que tenhamos menos valor, que diabo! Aliás, até se costuma dizer que os países não se medem aos palmos e, nestas coisas, dou a mão à palmatória da sabedoria popular.
Por isso acho que também devíamos ter uma bomba atómica. Das melhorzinhas, claro. Não queremos cá a porcaria que os americanos já não usam! Mesmo que fosse pequenina! Dava-nos cá um jeitão, não acham?
O ideal era - e aqui é que entra a prestimosa e elevada colaboração dos nossos almirantes - instalá-la num dos Tridente; sim porque a gente só quer uma, não são necessárias mais. Ficava instalada bem à vista para suscitar algum respeito aos transatlânticos que, um dia, não se sabe quando, vão voltar a atravessar o estuário do Tejo num constante vai e vem. Assim, os turistas palermas que nos visitarem, já podem ir contar lá para os seus países que a gente também tem uma bomba atómica e não está para brincadeiras!
É evidente que é preciso ter sempre algum cuidado. Imaginem que esta estrangeirada é mal intencionada e resolve não regressar aos países de origem. Com que intuitos, vá, digam?! Isto, agora, todos os cuidados são poucos, pois, por trás da aparente bonomia de um nórdico estupidamente louro, pode-se esconder um potencial jihadista islâmico!
Assim, para evitar surpresas desagradáveis, levavam logo com uma bujarda de aviso que até andavam de roda e punham-se logo na alheta que era limpinho! Só para não se armarem aos cucos! Depois, fossem lá fazer queixinhas ao Totta q'a gente até agradecia! Sem contar que era bestial para a nossa auto-estima, diga-se de passagem!
A propósito de auto-estima e antes que me esqueça, quero deixar aqui um aparte: reforçar a minha mais profunda admiração pelo nosso falecido rei, D.Sebastião "O Desejado". Ainda estou convicto de que, um dia, sobretudo com nevoeiro, ele há-de vir, se Deus quiser. Não me posso esquecer daquela sua célebre frase: "Mais vale ser rei por um dia, do que escrava toda a vida!", lembram-se? Se isto não era auto-estima, então era o quê? Bem, é assim: não sei se foi ele, se foi o Padre António Vieira ou o Fernão Mendes Pinto, mas isso não é muito relevante para esta estória. O que é relevante é que tenhamos em mente que de Espanha nem bons ventos nem bons casamentos! Vejam o caso dos ex-soberanos, Juan Carlos e Sofia que, até há bem pouco tempo, dormiam em camas separadas desde que se casaram ou o da infanta Cristina, envolvida em escândalos de corrupção, juntamente com o seu marido, um conhecido empresário mafioso com ligações à Cosa nostra.
Já não há monarquias como no tempo do D. Afonso Henriques. Se bem que o que ele fez à mãe foi muito feio! Todavia, penso que os portugueses o perdoaram há muito porque desse triste episódio resultou este belo "canto à beira-mar plantado", como a malta gosta de dizer.
Mas, voltando ao "Toro de Osborne", é preciso estarmos atentos, não vamos levar uma cornada quando e onde menos esperarmos.
Esta coisa de partilharmos, há séculos, a mesma península, não obsta a que um dia, enquanto estivermos a dormir, os castelhanos não se lembrem de entrar por aqui adentro, aproveitando o facto de termos o mau hábito de adormecer de barriga para baixo.
Por essas e por outras é que era ideal termos a tal bomba atómica preparada para qualquer eventualidade. Além disso, se os "nuestros hermanos" soubessem que tínhamos uma coisa dessas, pensavam duas vezes antes de nos invadirem. Sempre ouvi dizer que o respeitinho é muito bonito! É claro que se atirássemos para lá a nossa bomba, eles podiam retaliar com a central nuclear de Almaraz, rebentar com aquilo e lixar tudo, mas quem tem cu tem medo e, com bomba daqui e central dali, sempre se reduzem as chances de uma crise atómica. É a chamada "paz nuclear", estão a ver a coisa?
A bombinha faz-nos muita falta! É pena estarem tão caras, mas isso também se podia resolver através de uma subscrição nacional. A dividir por todos não custava nada e até podia ser que nos fizessem um desconto especial. Se estamos a sustentar os banqueiros sem termos contrapartidas, não vejo razão para não acarinharmos, patrioticamente, a ideia de uma iniciativa de angariação de fundos para obtermos a nossa bomba atómica. Até pode ser que consigamos comprar uma mais baratinha através da Internet, com garantia de manutenção gratuita contra defeitos de fabrico, o que nos livraria de despesas adicionais, tais como uma explosão acidental, por exemplo.
Com uma arma assim, tão destruidora, acabava-se logo com os repontões do costume. Quem se portasse mal ia logo corrido à bomba atómica, fosse cá dentro ou lá fora!
Vamos lá amadurecer a ideia da nossa bombinha atómica, "faxavor", ok?
Agora, com tantos confinamentos, até temos mais tempo para reflectir...

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D