Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

dom afonso henriques2.jpeg

Sei que já escrevi acerca deste tema, algures, mas a minha memória já não é a que era dantes e, por muitas voltas que dê à canhola, não descortino onde a publiquei. No entanto, permita-me, meu caro ou cara, abusar da sua infinita paciência ou, se preferir, não leia. Fico-lhe, na mesma, muito reconhecido.
Aqui vai mais uma reflexão sobre a nossa História, assunto sobre o qual me dá muito gozo escrever, na presunção de que seja, igualmente, do seu agrado, se passar por aqui.
Propus-me, desta feita, analisar algumas ocorrências mal esclarecidas, do nosso passado histórico, nomeadamente as relacionadas com o dilema de Viriato, que nunca se soube qual era, ou a razão que levou Sertório a não optar pela dupla nacionalidade. Mas nem sempre o prometido é devido, por várias circunstâncias, e, como se tem de começar qualquer coisa por algum lado, vou tecer alguns considerandos sobre o tema, fazendo uma referência especial ao nosso primeiro rei, Dom Afonso Henriques que parece-me não ser inédita, mas pronto, espero que me perdoe se for recantada.
Afonso I, de Portugal, como sabe, foi o fundador deste lindo torrãozinho à beira-mar plantado.
Como também tem obrigação de saber, a Península Ibérica, nomeadamente a sua parte mais ocidental, a Lusitânia, foi invadida por inúmeros povos, entre os quais destaco os Hunos e Indivisíveis, os Suecos (foram eles que introduziram a sueca em Portugal), os Vândalos ou Holligans, os Visigordos e os Jihadistas ou Sarracenos (sublinho que estes últimos já cá estavam há muito tempo).
Essa súcia de malandros, proveniente de várias latitudes, fixou-se em várias zonas do território que viria dar origem à nossa nacionalidade. Uns ficaram-se pelo Fundão e outros fundaram cidades como Santarém e Lisboa. Isto foi porreiro para Afonso Henriques e já lhe explico porquê, se souber e não me esquecer (vou mudar a àgua às azeitonas)...
 
Prosseguindo: Orfão de pai desde tenra idade, o nosso primeiro rei armou-se em cavaleiro quando atingiu a maioridade e começou por travar o passo ao Dom Peres de Trava, um galego que se tinha juntado em mancebia com sua mãe, Dona Teresa de Leão, uma dissoluta dos quatro costados.
No momento oportuno, ajustou contas com ambos na batalha de São Mamede em mil cento e qualquer coisa.
Já rei, à revelia do Papa (rejeitava a vassalagem), veio por aqui abaixo, montado num lindo corcel e, à frente de um numeroso exército de bravos guerreiros, antecipou-se aos demais conquistadores e tomou Santarém aos mouros. Depois desta estrondosa vitória, animado pelo feito e cheio de élan, avançou em direcção a Lisboa e, graças ao sacrifício de Martim Moniz(*) e ao precioso apoio dos cruzados da Ordem Equestre, estes últimos sob condição de virem a cavalo, também tomou aquela que é, efectivamente, o "Berço da Nação", ao invés de Guimarães, como alguns especuladores pretendem fazer crer. Aliás, basta consultar o tratado sobre Portugal Medieval, do Professor José Mattoso.
O poder do rei consolidou-se a olhos vistos e choveram elogios de todos os quadrantes políticos e partidários, particularmente dos partidários da sua causa. De tal modo que Geraldo Geraldes ofereceu-lhe a Praça do Giraldo, de mão beijada e sem qualquer pavor.
Ainda, no decorrer do seu longo reinado, Afonso Henriques teve grandes dificuldades para expulsar os restantes jihadistas islâmicos de Lisboa porque os gajos eram mais que as mães, por assim dizer. Mas, mesmo assim, teve tempo suficiente para correr com eles de Campo de Ourique; Campo Grande; Entrecampos; Conde de Redondo (Conde de Redondo é rua, mas que se lixe); Campo Pequeno; Campo Mártires da Pátria; Campolide; Campo Santana; Campo das Cebolas e se mais campos houvera lá chegara.
Para além disso, e já nas lonas devido ao avançar da idade (setenta e nove anos era uma idade muito provecta para aquela altura) e aos maus fígados associados às crises de gota (segundo as crónicas de antanho, Afonso pelava-se por aguardente de medronho), ainda teve tempo para inaugurar a Alameda, atribuindo-lhe o seu nome, narcisista como era.
Muita coisa fica no ar a seu respeito. Sei lá, olhe por exemplo: ainda há dúvidas sobre a sua cota de malha; se seria de pura lã virgem ou uma porcaria feita na China; ou como trataria o seu filho na intimidade do lar: se por Sancho, Sanchinho, Sanchocas ou, simplesmente, "pá"; ou se, porventura, terá assinado o Tratado de Zamora em cruz, sabendo-se que era um Cristão Democrata ferrenho.
No último estádio da sua vida, jamais se saberá se ele ainda teria a noção de ter fundado Portugal.
Finalmente e não menos importante: será que o nosso primeiro rei, enriqueceu à pala do seu reinado ou também foi enganado pelo Ricardo Salgado? São questões que ficam no ar, ad aeternum...
 
(*) É consabido que, se o pobre Martim não os tivesse entalado nas portas do castelo de São Jorge, para dar passagem às nossas tropas, Lisboa não teria sido conquistada com tanta ligeireza. É da História.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A TODOS OS HABITANTES DOS MARES DE PORTUGAL

por João Brito, em 06.12.21

a todos os habitantes dos mares de portugal.jpg

Esta é a grande novidade há muito tempo almejada pela população submarina e sucessivamente adiada por motivos que não vêm ao caso, mas, em todo o caso, deve-se salientar que foram objecto de negociações aturadas com alguns parceiros sociais, às quais não faltou a indispensável peixeirada e a inevitável salgalhada.
Apesar do momento não ser o mais adequado, entendeu o senhor Ministro dos Mares e das Marés, Doutor Marinho do Ó Carapau, avançar com o projecto. E julgamos que o fez por estar de maré, mesmo estando a "remar contra a maré", segundo a oposição. Os escamados do costume, enfim...
Sempre atento aos anseios da comunidade marinha, ou ele não fosse marinho e não obstante a maré estar baixa, dado que o país atravessa uma maré de azar, decidiu, finalmente, fazer aprovar por unanimidade, com algumas trocas de solhas e muita caldeirada à mistura, uma medida de apoio extraordinária que vai de encontro às expectativas da generalidade dos seres subaquáticos: mandar construir o Lula Parque, aproveitando a reserva extraordinária do Fundo Marinho de Investimento (FMI). A consecução desta obra vem preencher uma enorme lacuna (não confundir com laguna) no panorama lúdico-subaquático nacional.
Em verdade verdadíssima, dentro em breve, vai ficar tudo em polvorosa (deve pronunciar-se polvo rosa, senão não tem piada).
Será obra feita para que nos possamos divertir à brava no Lula Parque. Longe vão os tempos em que se faziam obras de fancaria e, ademais, de Santa Ingrácia!
Podemos andar às voltas, sem cessar, nos carrissóis de camarão, conduzir carrinhos de chocos, visitar o Submarino Nautilus do Capitão Nemo e deixarmo-nos tactear nas escamas, barbatanas e conquilhas, por ventosas de górgonas tailandesas, com a garantia, devidamente certificada, de finais felizes. Contudo, não há bela sem senão: Segundo a mitologia grega, as górgonas tailandesas são muito feias e más como as cobras. Logo, não devemos encará-las, sob risco de ficarmos petrificados ou, na pior das hipóteses, sermos transformados em caras de bacalhau.
Ficaremos sem pinta de sangue nas guelras quando deslizarmos vertiginosamente na montanha russa do Canhão da Nazaré.
Pescadinhas ciganas de rabo na boca ler-nos-ão a sina na palma das barbatanas! Vai ser um fartote de prazer no Lula Parque! Garanto-vos pelas alminhas das belas nereidas a quem Camões, num momento de insuflação criadora, chamou Tágides.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A RESERVA DAS CRISES PODE ESGOTAR

por João Brito, em 10.10.21

a crise1.jpeg

Após uma reunião extraordinária do conselho de ministros, chegou-se à conclusão geral e consensual de que as crises anteriores foram brutais, mas não inesgotáveis. Talvez se tivesse abusado um bocadinho, digamos assim. Todavia, foi tudo feito com muita transparência e dentro da legalidade constitucional; aliás, como é apanágio de qualquer sociedade democrática que esteja habituada a conviver com as crises. É claro que houve uns ou outros, mais impetuosos, que exigiram que se apurassem responsabilidades. Porém, não passou de uma boca circunstancial e as bocas circunstanciais valem o que valem, graças a Deus. Até houve alguém que disse energicamente para se calarem, pelo que recebeu bastantes aplausos da maioria dos presentes. Um deles lamentou que, de uma forma ou outra, se tenha contribuído para a delapidação das crises com tanta acumulação, quando o pensamento da maioria era de que havia abastecimento para muito tempo e que até dava para exportar o excedente para outros países que também precisados estavam. Isto, para além da imprevidência de nunca se terem segurado as crises contra danos próprios. É uma falha irrevogável e, como tal, imperdoável para qualquer crise, venha ela de onde vier! "Irrevogável", foi um termo muito badalado por quase todos os presentes, acérrimos promotores das crises, que afirmaram ter andado a gastar acima das suas possibilidades há muito tempo.

Por enquanto, não foi emitido qualquer comunicado oficial sobre esta reunião, ficando no ar a grande questão: o que é que vai acontecer se se confirmar que a reserva das crises vai esgotar. Até já há quem especule, nomeadamente os soalheiros do costume que, feitas as contas, vamos ter de apertar mais os cintos por via de outra crise que se avizinha. São tão parvos, valha-lhes Deus! Então para que serve a "bazuca"?

Autoria e outros dados (tags, etc)

ADORO FAZER SEXO COMIGO

por João Brito, em 02.10.21

sexo comigo.jpg

Gente lambareira! Queriam sexo, n'era? Em próximo artigo faço-vos a vontade. Hoje não estou virado para aí. Antes, vou debruçar-me sobre um assunto que, embora pareça banal é mesmo trivial, acreditem! Sobretudo, se fizermos uma análise da sucessão cronológica de eventos ou factos que, por qualquer incidente da História nos pudessem ter desviado do caminho exemplar que, como nação, temos vindo a percorrer. Gostaram? Também acho que é um excelente exórdio.

Todavia, penso que a importância da reflexão que se segue é eminentemente parda, como irão ter oportunidade de constatar.
Imaginemos por breves instantes, no domínio da ficção (óbvio, dah!), que a terceira ilha do arquipélago dos Açores a ser descoberta, tinha sido a ilha do Corvo. Chamaríamos, então, Terceira à do Corvo e Segunda à Terceira? Topam? Ou tentaríamos rodear a questão, chamando à do Corvo a primeira Terceira e segunda Terceira à Terceira. Perceberam, até aqui, onde é que quero chegar? Problemas idênticos poderiam ter alterado o nosso percurso histórico se tivesse sido o Vasco da Gama a atravessar o estreito de Magalhães, ou ainda a Maria de Lurdes Modesto a cozinhar pela primeira vez Bacalhau à Zé do Pipo.
Se Afonso Henriques tivesse nascido em 1499, como poderia ter sido o fundador da nacionalidade? E se só a tivesse fundado nessa época, como poderíamos ter, actualmente, quase nove séculos de História? Mais, ainda: de que serviria ao primeiro rei de Portugal conquistar Lisboa aos Sarracenos, se os gajos não tivessem, ainda, invadido a Península Ibérica? E onde ficariam os tintins do Martim Moniz na História, se a infantaria lusa não tivesse irrompido pelo castelo de São Jorge adentro? Convenhamos que, se o herói e mártir da tomada de Lisboa não os tivesse entalado nas portas do castelo, tomar a cidade aos Suevos, aos Hunos, aos Visigordos, aos Vândalos, ou até, mesmo, aos Energúmenos não teria a mesma graça.
Já agora, seguindo a mesma linha de raciocínio lógico, já imaginaram, também, como há por aí tanto amor desencontrado, perdido, esquecido? Não?...Têm a certeza?... Vejam lá, se precisarem de um ombro amigo, estou aqui, não se façam rogados!

Autoria e outros dados (tags, etc)

MAIS UMA ACHEGA PARA A HISTÓRIA DE PORTUGAL

por João Brito, em 01.10.21

dom afonso henriques.jpg

João Ratão 21.01.18

Confesso que, quando escrevi o primeiro artigo sob a epígrafe, nunca pensei que ia ter de retorno tanto élan mediático e tanto carinho para continuar. Simultaneamente, também senti o apelo sagrado dos nossos heróicos antepassados e a pressão expectante dos que hão-de vir depois de mim e, só assim, tive a percepção extra-sensorial de que tenho o dever de prosseguir na valorização da nossa História que anda tão arredada do conhecimento geral. Para além do mais, é reconfortante pensar que passo, mas o meu legado permanecerá perene, "per saecula" (segundo o tradutor do Google que eu de latim pesco zero).
Depois de tudo isto - e não é pouco - cada vez que me olho ao espelho, vejo reflectida a imagem de um gajo feliz porque tem a perfeita noção de que está a prestar um enorme serviço à folha, analisando e dissecando os factos mais significativos cá do burgo.
A seguir a este intróito, facilmente digerível, prossigamos, então, na demanda do saber da História Pátria.
Debrocemo-nos só um bocadinho (sem exagero) sobre a primeira dinastia, nomeadamente acerca de Dom Sancho I que, como sabem, era filho do primeiro rei de Portugal: Que espécie de garanhão teria sido, para merecer o cognome de "O povoador"? E o que seria de Portugal sem o seu - digamos - contributo?
É fácil de pressupor que seríamos um país deserto, com meia dúzia de mouros convertidos ou, pelo menos, envergonhados, e alguns cristãozitos novos espalhados por esta bestial imensidão territorial que o Afonso Henriques nos legou. Sim porque nos primórdios da nacionalidade já a Santa Inquisição fazia das suas para garantir uma fé católica com um elevado nível de qualidade, perseguindo, torturando e matando malta das minorias étnicas a torto e a direito, nomeadamente mouros e judeus. Era ver os malvados católicos, uns espertalhaços do caraças, a incitar à violência contra as mourarias e judiarias. É indescritível porque era uma carnificina pegada. Palavra, juro que isto não é ficção!
Ninguém escapava às malhas do Santo Ofício. Aliás, a bula emitida pelo Papa Alexandre III, a 23 de Maio de mil cento e qualquer coisa (é consultar a História da Vida Privada em Portugal, do Professor José Mattoso), que declarou o Condado Portucalense independente do Reino de Leão, reconhecendo o tratado de Samora Correia (não confundir com Samora Machel, cujo foral só lhe seria atribuído, séculos mais tarde), só teve efeito retroactivo quando Afonso Henriques se comprometeu, sob a honra de sua mulher, Dona Matilde condessa de Sabóia e Maurienne, a expulsar os jihadistas islâmicos do reino de Portugal (o dos Algarves ficaria para mais tarde) e a converter os gentios à fé cristã, a bem ou a toque de caixa. Mas regressemos a Dom Sancho I; divaguei novamente, peço desculpa.
Pacientemente, Sancho (não confundir com o Pança que só viria a nascer uns séculos mais tarde) andou por aqui e por acolá a povoar feito um obstinado, a encher ventres de Sanchinhos e Sanchinhas, dando desse sacrifício um exemplo de abnegação aos assépticos e escassos habitantes da novel nação.
Consequentemente, só bastante mais tarde é que Carlos I teria sido alvo de regicídio e, por conseguinte, seria implantada a república que teve em Aníbal Cavaco Silva o expoente máximo do seu esplendor (da república, evidentemente).
Muito tempo depois ou talvez antes, quem sabe, Thomas Edison substituía os candeeiros a petróleo da sua casa por lâmpadas eléctricas o que foi considerado, na época, uma inovação muito engenhosa.
Seria imperdoável omitir, aqui, o papel predominante e igualmente inovador do nosso rei Dom Dinis que, mais ou menos na mesma ocasião, mandou plantar o pinhal da Azambuja, conseguindo com essa ideia megalómana, mas deveras avançada para a altura, deter as areias movediças da Ericeira que ameaçavam soterrar o planalto de Santarém.
Dinis era um tipo muito cultivado e um excelente trovador, como é consabido; está escrito. Porém a sua grande paixão foi sempre a agricultura. Para o rei lavrador, amanhar a terra era trigo limpo e favas contadas e, contra isso, batatas. A talhe de foice, convém recordar que foi ele que inventou um analgésico (não confundir com medicamento para as hemorróidas) à base de essência de batatas, dado que o Paracetamol - passe a publicidade - só seria comercializado séculos mais tarde.
Os contemporâneos do rei, diziam que era uma pessoa muito à frente, porém muito simples e muito querida do povo. Todavia não acreditava em milagres. Míope como era, não via com bons olhos as acções caritativas de sua esposa, Dona Isabel de Herédia, mais tarde morta e muito mais tarde santa.
Vale a pena recordar, um tanto, aquele milagre que ficou para a História, lembram-se? A cena em que o rei interpelou a rainha, querendo saber o que é que ela trazia escondido no regaço e Dona Isabel, naturalmente atrapalhadíssima, teria respondido que eram "pepinos, meu senhor!" e, deixando cair o regaço - salvo seja - logo se soltaram doze lindas pombinhas brancas que esvoaçaram graciosamente até às cabecinhas dos pobrezinhos que a ladeavam e que, instantaneamente, se transformaram em "burritos" de peitinhos de pomba. Milagre puxa milagre, sabem o que é? O resto já tinham obrigação de saber...
Depois deste episódio singular e muito comovente, e vencido o rei, embora não convencido, lá teve que dar a mão à palmatória, lançando as raízes da provedoria da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, nomeando para o efeito uma personagem enigmática, mas - dizia-se - com vastos pergaminhos nesse domínio, um plebeu sem brilho chamado Pedro Santana Loló. Parece ter sido uma decisão leviana do rei, mas, enfim, era lá com ele, o homem era soberano.
Entretanto devem ter havido montes de batalhas com os mouros, conflitos de interesses com os castelhanos e demais chatices. Porém, se quiserem aprofundar os vossos conhecimentos acerca deste e de outros episódios marcantes, sugiro que consultem também o Compêndio de História Medieval do Professor Mattoso.
Apesar de tudo, é de primordial importância esmiuçar os meandros, reflectir sobre os factos, meditar, por exemplo, sobre a sucessão dos reis desta dinastia tão decisiva para a independência nacional.
Voltando a Dom Dinis, suponhamos, só a título de curiosidade, que o rei já lavrava muito antes de Afonso conquistar Lisboa ao Estado Islâmico ou que Fernando poderia ser gordo, sendo um gajo formoso, ou que Afonso II, sendo gordo, poderia ser povoador ou mesmo Pedro I que, apesar de cruel, poderia ser gordo, borgonhês, povoador ou lavrador.
Suponhamos, ainda, que Teresa de Leão, uma aleivosa do piorio, com a qual seu filho, Afonso Henriques, não ia à bola, dobrava o Cabo das Tormentas, casando-se depois em segundas núpcias com o "doutor" Caçoleta Apara Relvas. Teríamos a primeira dinastia toda desordenada e não surgiria, possivelmente, esse período que foi, talvez, o mais belo da nossa História e que mereceu o nome de Interregno. Dá para reflectir um pouco, vá lá, puxem pelas cabeças!
E pronto; depois de mais esta achega, prometo que, brevemente, tentarei demonstrar como os portugueses, dispostos em dodecaedro regular, derrotaram os fenícios em Alcoentre, graças a um incontestável (não confundir com Condestável) entusiasta dos jogos de estratégia, Dom Nuno Álvares da Câmara Pereira. Séculos após essa famosa batalha épica, reinventou-se uma nova e próspera nação que culminou no milagre económico actual, tão elogiado por um ministro teutão que, quiçá, num momento de epifania, imaginou ver Mário Centeno na pele do CR7. Vai daí que o 'nomeou' ponta de lança da selecção europeia; não é bestial?! Esperemos que se porte na ponta da unha e não desate a dizer que alguns colegas estoiram a massa em noitadas, putas e vinho verde...
Finalmente, e contrariamente ao que se esperava, o país está porreiro porque alguém, num acaso oportuno e feliz de profunda inspiração, apelidou esta maravilhosa reinvenção de "geringonça". Assim, o alento me ilumine, também, as ideias...

Autoria e outros dados (tags, etc)

PORTUGAL DE ABRIL

por João Brito, em 15.04.21

portugal de abril.jpeg

Penso, embora como sempre sem certeza, que a generalidade das pessoas sabe que Portugal, independentemente dos actores do poder e das doutrinas políticas que o têm norteado, criou uma casta, até hoje irremovível, de sacerdotes; uma espécie de guardiões do (seu) templo que, como tal, têm resistido ao longo de gerações a alterações do seu estatuto. E quando refiro o termo "ao longo de gerações", quero dizer que é código que persiste desde tempos afonsinos. Quando mais não seja para perpetuar anos de constantes favores intra-casta e por conta das contas públicas (vulgo o nosso dinheirinho).
Pode ser esse costume e as defesas intransponíveis que em torno dele criaram, o que os tem livrado do ónus da justiça. Esse, somente reservado aos que não movem influências e também àqueles que estão "predestinados" a servirem de exemplo da incorruptibilidade dos princípios em que assenta a "democracia". No mínimo, do fim de um feliz estilo de vida que o mérito por si só, em igualdade de direitos e deveres com os restantes cidadãos, não o garantiria necessariamente.
E pronto, vem mais este desabafo a propósito de quê? Raios partam esta memória! Ah, a propósito do desfecho, mais que previsível, de um processo que se andou a arrastar durante sete anos: a tal "Operação Marquês", com um juiz a demolir a acusação com epítetos como " fantasiosa, inócua, pouco rigorosa" e outras pérolas de deixar estupefacto quem esteve presente no Campus de Justiça, dia 9 de Abril de 2021.
Sete anos e vinte e oito arguidos. No final desta tragicomédia nacional, apenas cinco vão a julgamento por indício de crimes onde não se inclui a palavra corrupção. Adivinha-se mais um arrastar da coisa, com o MP a recorrer da "decisão instrutória" e os advogados dos indiciados a acusarem o MP de manipulação da Justiça, enfim, o folclore habitual. Prevejo um processo com mais um acrescento de milhares de páginas. Quiçá lhe mudem o nome para Operação Marquesa.
‌Com sorte, para os restantes pobres arguidos, pode ser que prescreva...
Um bom pretexto para os novos fascismos se arvorarem em moralizadores do sistema...
Ai, o meu pobre país de Abril!

Autoria e outros dados (tags, etc)

A NOSSA BOMBA ATÓMICA

por João Brito, em 21.01.21

a bomba atómica portuguesa.jpg

Como me sobra muito tempo para pensar, tenho andado cá a cismar com uma ideia e decidi revelá-la só pra vocês. Sei cá; há coisas q'a gente não pode, simplesmente, guardar, mesmo que sejam falsas e, afinal, a falsidade até está na moda, n'é? Aliás, segundo Descartes que, como sabem, era um filósofo céptico c'mo caraças, as ideias são o produto de uma imaginação febril e, nessa perspectiva, existe uma necessidade imperiosa de as partilhar com alguém.
A relevância deste sentimento de identificação, digamos assim, prende-se com um aspecto de primordial importância para a nossa sobrevivência como país soberano. Se é que as pessoas ainda têm alguma noção do seu significado. Trata-se, obviamente, de um elemento fundamental para a nossa continuidade como nação independente.
Ora, a minha convicção é a de que estamos muito desprotegidos. A nossa defesa e integridade territorial andam um bocadinho à deriva; não conseguimos impor respeito, inclusive àquelas couvinhas de Bruxelas, e acho que é uma situação muito comprometedora para a nossa credibilidade internacional e, por conseguinte, deixa-nos muito expostos.
Penso que devíamos por cobro, de forma exemplar, a essa falta de consideração. Todos querem botar a pata em cima de nós e não pode ser! Temos de acordar deste maldito sopitamento que nos persegue há séculos! O que lá vai, lá vai. É tempo de olharmos em frente e fazer cumprir Portugal como dizia uma pessoa muito importante, cujo nome não me ocorre de momento.
Assim, lembrei-me da história dos submarinos e surgiu-me uma ideia que julgo que seria do agrado das altas patentes militares, nomeadamente do almirantado e do generalato.
Estou convicto de que ainda há patriotas, sabendo, contudo, que nos debatemos com uma crise de falta de patriotismo que até dá dó! Ao menos valham-nos as honrosas excepções dos políticos da nossa praça, designadamente, aqueles valorosos que estão lá fora, há uma porrada de anos, a lutar pela Pátria no Parlamento Europeu.
E é aqui que entra o conceito que está na base deste artigo: a bomba atómica. Pergunto porque carga d'água é que há países que têm bombas atómicas e nós não? Vá, expliquem-me! Lá porque somos pequeninos não significa que tenhamos menos valor, que diabo! Aliás, até se costuma dizer que os países não se medem aos palmos e, nestas coisas, dou a mão à palmatória da sabedoria popular.
Por isso acho que também devíamos ter uma bomba atómica. Das melhorzinhas, claro. Não queremos cá a porcaria que os americanos já não usam! Mesmo que fosse pequenina! Dava-nos cá um jeitão, não acham?
O ideal era - e aqui é que entra a prestimosa e elevada colaboração dos nossos almirantes - instalá-la num dos Tridente; sim porque a gente só quer uma, não são necessárias mais. Ficava instalada bem à vista para suscitar algum respeito aos transatlânticos que, um dia, não se sabe quando, vão voltar a atravessar o estuário do Tejo num constante vai e vem. Assim, os turistas palermas que nos visitarem, já podem ir contar lá para os seus países que a gente também tem uma bomba atómica e não está para brincadeiras!
É evidente que é preciso ter sempre algum cuidado. Imaginem que esta estrangeirada é mal intencionada e resolve não regressar aos países de origem. Com que intuitos, vá, digam?! Isto, agora, todos os cuidados são poucos, pois, por trás da aparente bonomia de um nórdico estupidamente louro, pode-se esconder um potencial jihadista islâmico!
Assim, para evitar surpresas desagradáveis, levavam logo com uma bujarda de aviso que até andavam de roda e punham-se logo na alheta que era limpinho! Só para não se armarem aos cucos! Depois, fossem lá fazer queixinhas ao Totta q'a gente até agradecia! Sem contar que era bestial para a nossa auto-estima, diga-se de passagem!
A propósito de auto-estima e antes que me esqueça, quero deixar aqui um aparte: reforçar a minha mais profunda admiração pelo nosso falecido rei, D.Sebastião "O Desejado". Ainda estou convicto de que, um dia, sobretudo com nevoeiro, ele há-de vir, se Deus quiser. Não me posso esquecer daquela sua célebre frase: "Mais vale ser rei por um dia, do que escrava toda a vida!", lembram-se? Se isto não era auto-estima, então era o quê? Bem, é assim: não sei se foi ele, se foi o Padre António Vieira ou o Fernão Mendes Pinto, mas isso não é muito relevante para esta estória. O que é relevante é que tenhamos em mente que de Espanha nem bons ventos nem bons casamentos! Vejam o caso dos ex-soberanos, Juan Carlos e Sofia que, até há bem pouco tempo, dormiam em camas separadas desde que se casaram ou o da infanta Cristina, envolvida em escândalos de corrupção, juntamente com o seu marido, um conhecido empresário mafioso com ligações à Cosa nostra.
Já não há monarquias como no tempo do D. Afonso Henriques. Se bem que o que ele fez à mãe foi muito feio! Todavia, penso que os portugueses o perdoaram há muito porque desse triste episódio resultou este belo "canto à beira-mar plantado", como a malta gosta de dizer.
Mas, voltando ao "Toro de Osborne", é preciso estarmos atentos, não vamos levar uma cornada quando e onde menos esperarmos.
Esta coisa de partilharmos, há séculos, a mesma península, não obsta a que um dia, enquanto estivermos a dormir, os castelhanos não se lembrem de entrar por aqui adentro, aproveitando o facto de termos o mau hábito de adormecer de barriga para baixo.
Por essas e por outras é que era ideal termos a tal bomba atómica preparada para qualquer eventualidade. Além disso, se os "nuestros hermanos" soubessem que tínhamos uma coisa dessas, pensavam duas vezes antes de nos invadirem. Sempre ouvi dizer que o respeitinho é muito bonito! É claro que se atirássemos para lá a nossa bomba, eles podiam retaliar com a central nuclear de Almaraz, rebentar com aquilo e lixar tudo, mas quem tem cu tem medo e, com bomba daqui e central dali, sempre se reduzem as chances de uma crise atómica. É a chamada "paz nuclear", estão a ver a coisa?
A bombinha faz-nos muita falta! É pena estarem tão caras, mas isso também se podia resolver através de uma subscrição nacional. A dividir por todos não custava nada e até podia ser que nos fizessem um desconto especial. Se estamos a sustentar os banqueiros sem termos contrapartidas, não vejo razão para não acarinharmos, patrioticamente, a ideia de uma iniciativa de angariação de fundos para obtermos a nossa bomba atómica. Até pode ser que consigamos comprar uma mais baratinha através da Internet, com garantia de manutenção gratuita contra defeitos de fabrico, o que nos livraria de despesas adicionais, tais como uma explosão acidental, por exemplo.
Com uma arma assim, tão destruidora, acabava-se logo com os repontões do costume. Quem se portasse mal ia logo corrido à bomba atómica, fosse cá dentro ou lá fora!
Vamos lá amadurecer a ideia da nossa bombinha atómica, "faxavor", ok?
Agora, com tantos confinamentos, até temos mais tempo para reflectir...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ó PÁ, VALHA-NOS DEUS, OUTRA VEZ A CRISE?!

por João Brito, em 18.10.20

Angelica e Sarcozinho.jpg

Dizia-se que a crise de 2008, a tal que obrigou à intervenção dos agiotas da troika em Portugal e Grécia, era a culpada do estado a que o Estado tinha chegado nestes países. Desculpas e outras que vamos ouvindo e lendo ao longo gerações porque se não é disto é daquilo ou até de aqueloutro ou, em bom português: se não é do cu é das calças.
Porém, e não pondo de lado a hipótese de existir aqui alguma parcela de fundamento, ainda que diminuta, se excluirmos as crises dos outros, com as quais podemos bem, já cá existia uma há uma porrada de séculos. Ademais, agora, levámos com mais uma que não é somente dos outros, talvez uma das piores de sempre. Isto, não contando com as opiniões dos que acreditam em teorias conspiratórias e outras merdas ou estão convencidos de que isto é inócuo. Não esqueçamos que o Trump chama àquilo o "vírus chinês" e o Bolsonaro, uma "gripezinha". E têm seguidores incondicionais!
Mas, vamos lá ver, na minha modesta opinião e, naturalmente, saber limitadíssimo, quando começaram as crises em Portugal e, segundo o meu simples entendimento, qual a melhor forma de as contrariar:
A primeira situação de crise parece ter despontado no inicio da nossa fundação, quando os interesses do governo de Dona Teresa de Leão e os de seu filho Afonso Henriques entraram em colisão e resolveram a coisa à estalada. Situações destas entre uma mãe e um filho não são nada simpáticas e pior, foram um mau presságio para o que viria depois. O resultado é isto, passados quase novecentos anos de história.
Contudo, regressando ao assunto sobre o qual me propus escrever, penso que não se pode continuar a baixar os braços e confiar cegamente no poder Divino. O Senhor nem sempre está virado para aí ou seja, Ele é omnisciente e omnipotente, mas nem sempre é omnipresente. Portanto, não exageremos nas nossas reivindicações; temos de dar uma ajudinha, ser autónomos que diabo! Peço desculpa por misturar o profano com o sagrado, mas aqui até fica bem.
Há novos caminhos a percorrer. Se estiverem cheios de balsas, alguém tem de os desbravar. Afinal onde pára o engenho dos portugueses e o tão afamado espírito do desenrasca (não confundir com "geração rasca", expressão inventada pelo "senhor Silva")?
Por isso, este meu texto é o culminar de uma reflexão muito profunda e muito séria acerca da problemática da crise e penso que um contributo para ajudar a combatê-la. A bem da Nação, evidentemente.
Assim, para vencer a crise, é vital que ataquemos a coisa de frente três vezes sem tirar (há quem a ataque por trás; é tudo uma questão de perspectiva e até de gosto):
 
COMECEMOS PELA TECNOLOGIA DE PONTA:
Temos as horas de ponta, a ponta de Sagres, a ponta sobre o Tejo, a ponta Vasco da Gama, alguns fins de semana com pontas, a faca de ponta e mola, com ponta, sem ponta, mas, indubitavelmente, falta-nos uma verdadeira tecnologia de ponta e uma tecnologia tão sofisticada não se adquire assim do pai para a mãe. No entanto, não vale a pena pensar que somos impotentes perante a falta de ponta. Com um pequeno esforço, talvez possamos ir a tempo de arranjar alguma ponta, enfim, a suficiente para termos um final feliz. Faz-se o que se pode e a mais não se é obrigado, n'é verdade?
Vamos apontar, então, para uma verdadeira tecnologia de ponta. Não somos melhores nem piores que aqueles que não descortinam a ponta dum corno quando nos apontam o dedo como os maiores esbanjadores de fundos europeus. Um ponta pé no cu e vão para a ponta que os pariu, ociosos!
 
MEDIDAS INTERNAS:
Para além da ponta, há que adoptar medidas internas urgentes, entre as quais destaco a importância da confiança na palavra dos políticos. Temos de acabar com essa noção errada, adquirida ao longo das últimas décadas, de que confiarmos os nossos destinos a essa distinta classe é o mesmo que aceitarmos cheques sem sabermos se têm provisão. Apesar de alguma desconfiança que possamos manter presente com esta espécie, temos o dever patriótico de lhes dar mais uma oportunidade entre tantas e já incontáveis. Ofereçamos-lhes, pois, mais uma porque não será a última.
Outra falsa noção sobre a insalubridade que se instalou nas nossas rotinas e que contribuiu substancialmente para o nosso défice, é o hábito de tomar banho todos os dias. Temos de reintroduzir o ancestral costume do banho semanal, com tendência gradual para o banho anal...perdão, anual.
Razão tinham os nossos avós quando nos diziam que lavagens frequentes causavam catarro e secavam a pele. Poupa-se água, gás e luz e diminui o preço da carne de porco.
 
EXPORTAÇÕES:
Continuamos, obstinadamente, concentrados nas exportações de vinho do Porto, vinho de mesa, azeite, rolhas de cortiça, calçado, papel higiénico e lencinhos Renova (passe a publicidade), panelas de pressão Silampos (passe a publicidade) e pouco mais.
Temos fortes potencialidades para alargar o âmbito das mesmas a outros sectores da actividade económica, por forma a que, finalmente, possamos equilibrar a nossa balança de pagamentos e reduzir a dívida pública.
Destaco algumas ideias que me parecem pertinentes:
Chá, tapetes de Arraiolos e gatos para a Pérsia; Casas e rosas para o Butão; Milho para o Peru; Pescada para o Chile; Patos para a Patagónia, Rissóis para os Camarões; Negócios para a China; Cavaco e Maria para o Vaticano; Lâminas para Barbados; Malte para a Malta; Solas para o Ceilão, et cetera.
Se houver vontade política e capacidade empreendedora, é só negociar com os candidatos a importadores das nossas matérias, pois não nos faltam excelentes produtos para exportação.
E pronto. Penso que estas sugestões que aqui deixo para tentar minorar a crise devem ser objecto de um estudo muito sério por parte de quem de direito, seja ele administrativo, canónico, civil, comercial, comunitário, fiscal, internacional, penal/criminal, público, de autor e afins.
E, mais uma vez, insisto: protejam-se bem, nomeadamente os velhinhos porque os jovens não querem saber, são uns inconscientes do caralho!
Se a gente bater a caçoleta, da maneira que isto está, vai directamente para a salgadeira sem ter direito a missa de sufrágio, acreditem! Ao que chegámos! Mas não esmoreçam que melhores dias virão se não morrermos antes.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A REPÚBLICA EM TRÊS ACTOS

por João Brito, em 09.11.17

a república.jpeg

Acto 1:
A República tem exercido em mim, desde que me conheço, um enorme fascínio. Isto, só para não dizer encantamento que é a mesma coisa.
Fascínio pela figura sensual, pelas maminhas empinadas e por aquele lindo barrete enfiado na cabeça. Um "tesão", parafraseando aquele cara lá do outro lado do Atlântico, cujo nome não me ocorre.
Tenho-a venerado que nem um louco em fotografias, xilografias, litografias, fantasias, desenhos, bustos de gesso e até em voluptuosos sonhos nocturnos que me escuso de descrever por uma questão de decência. Porém, por muitos e infelizes acasos, nunca tive oportunidade de a conhecer em carne e osso. Penso que tem sido a grande falha e o grande drama da minha pobre existência. Sim, sem ela sou o mais pobre dos pobres!
Amo-a desde pequenino. Acima de tudo e por amor a ela tornei-me a mais desgraçada e solitária das criaturas ao cimo da terra. Sem a República a vida não tem sentido; tudo se torna indigno da minha devoção.
Debalde (não confundir com de balde, até porque não se enquadra neste contexto), perdi dias, meses e anos a fio, à procura daquela que tinha eleito como a rainha do meu coração e, afinal, em vão (era chato repetir debalde).

Acto 2:
Oh, minha amada República! Estou convicto de que se soubesses a pureza dos meus sentimentos e das minhas intenções, render-te-ias a esta paixão avassaladora, fofinha!
Esta coisa é "fogo que arde sem se ver" e consome-me as entranhas do ser mais profundo, pois se "fora" possível iria mais fundo! Oh, senhores, o amor não correspondido é uma coisa muito aborrecida (estavam à espera que eu escrevesse uma asneira, n'era? Eu não sou o MEC!)!
Há dias, minha paixão assolapada, mirei-te numa capa de livrinho, gasto pelo tempo, exposta numa vitrina suja de um alfarrabista da baixa e o meu coração parecia que me ia saltar do peito. Estavas insuportavelmente linda, alta, a atirar para o cheiinho - como gosto - , num deslumbrante desnudamento e num arrebatamento tão natural na tua condição de pátria involuntária. Sim, porque não tiveste culpa de teres sido escolhida em pretérito da outra! Aconteceu porque sim e tu foste na onda.
Também foi lindo ver hastear a nossa bandeira nos Paços do Concelho, no teu dia de aniversário em 2012, ainda que ao contrário. Compreensível, num dia tão inesquecível...
Assentava-te tão bem o escudo armilar (oh, meu Deus, o escudo armilar, que excitante!) numa mão e a lança na outra que até já foi em África. Ai, como desejei ser vitrinário naquele momento! Só Deus sabe, a despeito do meu cepticismo...
Mais te amei naquela parcela tão diminuta de tempo e beijei a montra feito um insano, indiferente a quem passava.
De pronto, parti no teu encalço, não obstante gostares de andar descalça, minha gazela doce e paradoxalmente selvagem.
Regressei tal como parti: triste e desiludido, embora, à partida, ainda me restasse uma centelha de esperança.
Percebi que me evitavas, quiçá, por usar óculos ou não ser alto e consistente como tu.
Porém, amor, se pensas que vou manter esta toada de sofrimento, bem podes tirar o cavalinho da chuva! O tempo tudo cura, mesmo que este coração, agora, sangre abundantemente por ter ficado preso aos teus encantos.
Não julgues que me derrubas por via de um amor não correspondido, querida República! Pelo contrário, dás-me cá uma risota! É tão bom ser-se assim tão idiota. É bué giro ser-se um parvo chapado, gargalhar alarvemente, mas é raiva certamente, porque te sou indiferente.
Sou tão míope que não sei o que vejo em ti! Se fizesses um esforço, podias ver que não sou tão xarope e parvinho de todo e até podia chegar-te aos calcanhares com uns sapatos de tacão alto!
Prometo que te esqueço e vou para outra mulher, quiçá a Monarquia que, apesar de poeirenta e cheirar muito a mofo, ainda é capaz de romper meias-solas. É só falar com o Dom Duarte que é mais Pio do que tu. Ou tu julgas que isto é uma república?!

Acto 3 (se calhar, epílogo soava melhor, mas que se lixe!):
"Ai de mim, mas de (ti) ai, que eu morrendo, (não) entendo" (com a devida vénia ao porreiraço do meu amigo, Luís Vaz).

Autoria e outros dados (tags, etc)

TORNEIO INTERNACIONAL DE JUJITSU PARIS 2016

por João Brito, em 20.07.16

jujitsu.jpg

Dimitri Payet foi considerado o melhor lutador do Torneio Internacional de Jujitsu Paris 2016, depois de ter deixado o português Cristiano Ronaldo muito mal tratado. O atleta francês desferiu-lhe um golpe muito feio no joelho esquerdo, logo aos 7 minutos de combate. De seguida, arremessou o português ao chão, sem mais aquela, incapacitando-o decididamente de continuar a disputa.
Todavia, Portugal ficou em primeiro lugar, colectivamente e, naturalmente, trouxe a Taça.
O treinador francês, Didier Deschamps, chauvinista dos quatro costados, como um verdadeiro gaulês que se preza de tal predicado, afirmou que Portugal foi uma surpresa de merda; que lutámos todos à defesa e todos ao ataque, táctica futebolística inapropriada para este contexto de artes marciais (sem saber como nem porquê, lembrei-me de outro grande treinador, chamado Béla Guttmann).
Para além do mau perder habitual dos gauleses, faltou-lhes a eficácia e lucidez (sobrante no adversário luso) para calar o Fernando Santos que já andava a ameaçar, há uma porrada de dias, que só saía de França no dia 11, mais a mais com a taça na mão, o que contribuiu para irritar ainda mais, o treinador da França que até espumou de raiva.
Griezmann, Gareth Bale, Toni Kroos, De Bruyne, Hazard, Ozil e Pogba, entre outros, também deram luta, mas não foram suficientes para nos roubar o título colectivo.
E pronto, daqui a quatro anos há mais, se a gente não morrer antes. Entretanto o título é nosso durante uma "legislatura" e o resto são tristes cantigas francesas com um grande galo depenado e um vira minhoto com um belo galinho de Barcelos...

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D