Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]


O COCÓ

por João Brito, em 25.08.14

o cocó.jpg

Era uma vez um cocó feiarrão e fedido, cagado a esmo, como se tivesse sido largado por um cu imoderado, inculto e, pior que tudo, totalmente desprovido de sentimentos.
Um ânus anónimo, medonho e de uma insensibilidade cruel, expulsara-o da tripa grossa, tirando-o da sua "zona de conforto".
Depois desse triste episódio já nada seria como dantes; tudo mudara para ele. Coitadinho, tinha vindo ao mundo, tal e qual, sem um peniquinho, uma palmadinha nas costas, um calorzinho humano; nada de nada! Que maldade!
Ali ficou, sozinho, evacuado ao acaso, sujeito a um ou outro pé menos atento que o pudesse pisar ou a uma pá e uma vassoura inflexíveis; sem amparo nem carinho, sem algo ou alguém que lhe desse algum alento. E tudo o que ele afinal queria era conversar, fazer amigos! Mas qual quê! Quem passava por ali só queria evitá-lo: «Porra! Quem cagou aqui?» - Verberavam este e aquele, evitando escorregar no pobre.
«Cuidado, não pisem a merda!» - Vociferavam outro e aqueloutro, ainda a tempo de evitarem o que parecia inevitável.
Afinal, o cocó ansiava apenas por uma atenção especial; era um cocó com carências afectivas que diabo! Era pedir muito, gostar de um cocozinho?!
Um dia viu uns senhores e umas senhoras, muito janotas e muito enfatuados nas maneiras, aproximarem-se e, adivinhando que ia levar com os impropérios a que estava acostumado, tentou, o melhor que pôde, reter o cheiro fétido para não incomodar os seus delicados narizes. E não é que, para sua surpresa - agradável, por sinal - , em vez de impropérios dirigiram-lhe sorrisos, olhares cúmplices e palavras de conforto!? Nunca o cocozinho se sentira tão feliz e contente (perdoe-se-me a redundância)!
A partir daquele extraordinário e afortunado acontecimento ia poder gozar, finalmente, de todas as prerrogativas que lhe tinham sido sonegadas durante tanto tempo de contenção graças à generosidade e sentido democrático daquelas pessoas importantes que o passaram a acarinhar e, coisa inédita nos anais (não confundir com o étimo latino anus) da história, foi nomeado Secretário de Estado do Ambiente e agraciado por Sua Excelência o Senhor Presidente da República com a grã-cruz da Ordem da Merdice.
Finalmente, o cocó pôde ufanar de alívio e deixar de ser aquele infeliz rejeitado e mal cheiroso que todos expeliam, naturalmente, pelo ânus, pois aquelas almas gentis souberam reconhecer o seu mérito, identificando-se com ele, irmanados no mesmo espírito fraterno. Nem tudo está mal em Portugal. Esta mania tão nossa de desdenhar de tudo e de todos, irra q'até chateia!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D