Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]


INFLAÇÃO GALOPANTE

por João Brito, em 29.09.21

inflação galopante.jpg

João Ratão 14.09.2014

O homem entrou numa pastelaria, pediu uma bica e botou um euro em cima do balcão.
O empregado mirou-o de soslaio e disse:
- A bica é um euro e cinquenta cêntimos, amigo!
- Mas, ainda ontem, aqui mesmo, paguei um euro por uma bica!
- Não desminto que a tivesse pago a esse preço, mas, de ontem para hoje, inflacionou!
- Isto está cada vez pior, é tudo a roubar, que raio de país!
Como o homem estava à rasca para tomar um café, lá puxou de mais cinquenta cêntimos, só para não estar a empatar a fila de clientes junto à caixa. O empregado olhou-o novamente e, com cara de poucos amigos, disse:
- Você deve estar a gozar comigo! Então não vê que um euro e cinquenta cêntimos não chega para pagar a bica?
Meio baralhado e pensando que aquilo só podia ser para os apanhados, respondeu:
- Então, mas ainda agora disse-me que a bica custava um euro e cinquenta cêntimos!
- Pois é, mas, com a inflação galopante, um euro e cinquenta cêntimos já não dá para as despesas q'é que quer?
- Então diga lá quanto é que custa a bica para não perdermos mais tempo, que diabo!
- 2 euros!
- 2 euros?!...Porra, isto está bonito, está! Pronto, aqui tem os 2 euros...
O empregado olhou-o novamente, meio chateado, e disse:
- Então, e o imposto?
- Oh que caraças, mas qual imposto?!
- O imposto de transacção que entrou em vigor às zero horas de hoje. Você não anda a par das notícias?
- Olhe, não sabia, palavra d'honra!
O empregado, com um ar de pessoa muito bem informada, continuou:
- Eu elucido-o. Aqui, no "Matutino", reza o seguinte: "O imposto de transacção sobre o consumo unitário médio, previsto para o ano decorrente e seguintes, sobe cem por cento"..., 'tá a ver?
E acrescenta, antes que o homem tenha tempo para retorquir:
- Fora o preço do novo programa informático de facturação e outros encargos fiscais! Não podemos ser só nós, comerciantes, a suportar as despesas, caro senhor! Portanto, isso a somar aos dois euros que pretendia pagar até agora pela sua biquinha, arredonda-lhe a coisa para os dois euros e cinquenta cêntimos.
Como era de prever, o homem começou a mostrar sinais evidentes de grande perturbação:
- Mas, estão todos doidos?! Querem que me dê uma coisa mazinha, ou quê?!
- Bom - ripostou o empregado tentando acalmá-lo - , se pedir recibo com o número de contribuinte, ainda se habilita a um automóvel topo de gama que, como sabe, é sorteado semanalmente. Portanto, veja a coisa pelo lado positivo; nem tudo está perdido, amigo!
Manifestamente desesperado, o homem já estava por tudo. Ele só queria tomar uma bica, fosse a que preço fosse. Uma bica por CARIDADE (a palavra destacada a letras garrafais é despropositada, mas é só para enfatizar o momento dramático)!
Tinha acabado de absorver o primeiro gole do conteúdo da chávena quando o seu rosto empalideceu subitamente e:
- Mas esta merda é tudo menos café!
- É claro que não é café e escusa de ser malcriado, caro senhor! - apressou-se o empregado, indignado, a explicar - Este é um lote especial de cevada e chicória, uma mistura, digamos assim. Se continuássemos a servir café puro, como até ontem o fizemos, com a inflação galopante, a sua bica subiria para os cinco euros, amigo!
Foi nesse preciso instante que se deu um acontecimento inesperado, uma reacção que ninguém esperava (passe a redundância). O sujeito, certamente possesso (só pode ter sido), atirou-se para cima do balcão, agarrou o empregado pelo colarinho, e obrigou-o a engolir quinze duchaises, vinte e cinco bolas de berlim, três quilos de bolos secos surtidos, um frasco de rebuçados de mentol e cinco caixas de bombons de chocolate belga, com lacinhos e tudo.
Ora, algum tempo depois deste infeliz desenlace de consequências muito graves, diria mesmo gravosas, tanto para o empregado como para o homem, escusado será explaná-las, e após julgamento, o acórdão do tribunal foi sumariamente proferido pelo juiz presidente:
- O réu é condenado a quinze anos de prisão maior agravada, por crime de ofensa à integridade física, seguida de tentativa de homicídio!
- Tentativa de homicídio, senhor doutor juiz?! - balbuciou o homem - Quando as consequências do meu acto insensato - não contesto - foram praticamente inofensivas, pois não passaram de umas diarreias insignificantes, uma colite ou outra, uma úlcera péptica e uma perfuração esofágica; o senhor até foi trabalhar no dia seguinte, veja lá vossa excelência, e levo com quinze anos?!
- Tem alguma razão. Não lha dou toda, senão não o teria condenado a uma pena tão pesada! - respondeu-lhe o juiz - Se fosse ontem condenava-o a um ano de prisão com pena suspensa. Assim, olhe, culpe a inflação galopante!... 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D