Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


IMPOSTO SEXUAL

por João Brito, em 21.08.14

imposto sexual.jpg

O Secretário de Estado do Orçamento afirmou há algum tempo que o orçamento rectificativo com as medidas para compensar o desvio orçamental deste ano está nos propósitos do Ministério das Finanças no sentido de minimizar os efeitos da grave crise que o país atravessa constituindo esta alteração a maior novidade no campo das medidas económicas a tomar pelo Governo ligeiramente à margem do memorando da "troika".

Esta foi à Saramago! Deixem-me recuperar o fôlego...
Com efeito, não obstante a grave crise económica internacional e o brutal défice externo, estudos (estudos, estão a ver?) apontam para o facto de os portugueses continuarem a praticar sexo com alguma regularidade, embora nem sempre nas melhores condições. Temos, pois, que englobar outras práticas de sexo que não somente e apenas (passe a redundância) as praticadas geralmente por pares. Também essas serão taxadas, caso esta alteração venha a ser aprovada pela maioria e passar pelo crivo do Tribunal Constitucional. Afinal, trata-se de uma actividade generalizada a todas as camadas sociais, sendo esta a razão fulcral pela qual o Governo considera este novo imposto como o mais equitativo e justo (desculpem lá, outra vez, o estupor da redundância).
Temendo que os portugueses deixem de ter relações sexuais para fugir ao imposto ou tentem praticá-las à revelia do fisco, o Executivo vai lançar uma campanha de sensibilização da opinião pública, nomeadamente com "spots" publicitários institucionais, no canal 2 da televisão do Estado, em que dois jovens praticam sexo puro e duro enquanto preenchem o impresso electrónico no Portal das Finanças.
Estão também previstos cartazes que serão afixados em locais públicos bem visíveis onde surgem os mesmos jovens, muito suados e despenteados da "refrega" coital, a afirmar alegremente: "Gozámos à brava porque cumprimos as nossas obrigações fiscais!".
No entanto, apesar desta medida de largo espectro social poder vir a render alguns milhões de euros aos cofres do Estado, a situação continua a ser preocupante. As taxas de juros poderão aumentar de muito altas para altíssimas; o PIB poderá ser extinto; as pensões de reforma poderão ser substituídas por mitras; o abono de família poderá ser retirado a todas as crianças que contraiam sarampo, rubéola ou varicela; o crédito à aquisição de habitação própria poderá ser restringido aos cidadãos que tenham pago a casa a pronto, et cetera.
Em face deste cenário tão calamitoso, vislumbra-se uma situação deveras negra, deixando adivinhar um 2015 bem pior que o que decorre, embora a ministra Luís Albuquerque teime em classificá-la de cinzenta, pelo que parece confirmar a tese que muita gente já temia: A gaja sofre de daltonismo...
P.S.: A talhe de foice e somente por curiosidade, vocês sabem que daltonismo provém de um tipo chamado John Dalton que era um daltónico do caraças?

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D