Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


EXALTAÇÃO AO AMOR

por João Brito, em 06.10.21

Vítor entra em casa, apressado e a tiritar de frio. Despe o blusão que atira, ao acaso, para cima da poltrona, alheio ao cão que repousa nos estofos coçados pelo tempo. 

Cláudia, sem claudicar, mantém-se de pé, rígida e pensativa, virada para a lareira onde crepita um lume acolhedor. Lá fora, faz um frio glacial.

O recém-chegado olha para Joana, que foi Cláudia quando ele entrou, e toca-lhe delicadamente nos ombros. Não obstante, Maria que foi Cláudia quando ele entrou e Joana quando a tocou, estremece, pois estava absorta em pensamentos que se enovelavam na mente como o fogo nas cavacas. Volta-se e encara o homem com um olhar lânguido e simultaneamente voluptuoso (desculpem o pleonasmo, mas é só para tornar a ideia mais expressiva).
No entanto, Graça que foi Cláudia quando ele entrou; Joana quando a tocou e Maria que estremeceu, permaneceu expectante e receosa sobre o assunto inadiável que trouxera Vítor até si. Era algo que a inquietava tanto, ao ponto de quase a oprimir.
Todavia, Natália que foi Cláudia quando ele entrou; Joana quando a tocou; Maria quando estremeceu e Graça quando se beijaram com avidez, descola suavemente os lábios húmidos dos lábios do seu amante e exclama:
- Ah, Vítor, se amar fosse fácil não havia tantos a amar tão mal, meu Deus!
Porém, Sofia está equivocada. Ele era Vítor quando entrou e ela Cláudia; António quando a olhou e ela Joana; Luís quando a fez estremecer e ela Maria; Artur quando se beijaram e ela Graça; Francisco quando aliviaram o beijo e ela Natália; e, finalmente, José quando ela disse que não queria tanto a Vítor como agora.
Assim, Arminda de seu nome Luísa, contrafeita com o embaraço provocado pelo mal-entendido, pede desculpa a Nuno, de seu nome Paulo. Pensam celebrar a concórdia com uma noite só para eles, cheia de exaltação ao amor.
- Que dizes, Fernando?
- Por que não, Margarida?
E vão: Lúcio e Emília estão tão jubilantes por se terem reencontrado que tampouco se lembram das promessas de Teresa a Samuel.
Ninguém adivinhava desfecho tão pungente quanto o de Narciso e Elvira; quiçá, Luís e Cremilde.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D