Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


DIÁLOGO ENTRE COLBERT E MAZARINO

por João Brito, em 14.11.21

colbert e mazarino1.jpg

Colbert: «Para encontrar dinheiro, há um momento em que já não é praticável enganar seja quem for.
Senhor Superintendente, gostaria que me explicasse como é que é possível continuar a gastar tanto, quando já nos empenhámos até ao pescoço?!...»
Mazarino: «Bom, então, passo a explicar:
Se estivermos a falar de um miserável Zé ninguém coberto de dívidas, e não tendo como as pagar, é óbvio que vai preso. Mas o Estado..., bem..., o Estado é diferente! Não se pode mandar prender o Estado que diabo! A solução natural para o problema é continuar a acumular dívidas... Todos os Estados o fazem, não somos excepção, Colbert!»
Colbert: «Ah sim? É essa a sua convicção, então? No entanto, continuamos a precisar de dinheiro. Como é que havemos de o obter se já criámos todos os impostos imagináveis?»
Mazarino: «Criando outros com designações incompreensíveis para a população ignara. Dada a sua complexidade, presumirão que são vitais para combater a falta de liquidez das finanças do reino e, naturalmente, a manutenção do seu estatuto de pobreza e, por consequência, iliteracia»
Colbert: «Mas já não podemos lançar mais impostos sobre os pobres. Sujeitamo-nos a uma insurreição popular!»
Mazarino: «Realmente tens razão, também pensei nessa possibilidade!»
Colbert: «Bem, sobram os ricos!»
Mazarino: «Os ricos também não, nem ouses tal pensamento! Deixariam de gastar ou pior ainda: tratariam de transferir a totalidade das suas fortunas para reinos onde não fossem taxadas! Um rico que gasta faz viver centenas de pobres, não esqueças!»
Colbert: «Então onde vamos arranjar dinheiro?»
Mazarino: «Ai, Colbert, comes muito queijo, homem de Deus! A coisa processa-se da seguinte forma: há uma quantidade enorme de gente entre os ricos e os pobres: os que trabalham, com o sonho de um dia se tornarem ricos e com um medo insuportável de ficarem pobres. É a esses que devemos sobrecarregar com impostos atrás de impostos, cada vez mais, sempre mais, percebes?! Esses, quanto mais lhes tirarmos, mais se esfalfarão a trabalhar para compensarem o que lhes tirámos. São uma reserva inesgotável!»

As personagens são reais, o diálogo é fictício ( adaptação livre da peça teatral Le Diable Rouge, de Antoine Rault. Circula por aí...), mas pode-se reportar aos tempos actuais, como facilmente se depreende nesta magnífica rábula...
“Jean-Baptiste Colbert (Reims, 29 de Agosto de 1619 — Paris, 6 de Setembro de 1683) foi um político francês que ficou conhecido como ministro de Estado e da economia do rei Luís XIV. Instalou o Colbertismo na França, onde teve uma grande importância no desenvolvimento do mercantilismo ou da teoria mercantilista (com adeptos fervorosos em Portugal), bem como das práticas de intervenção estatal na economia, que o mercantilismo advogava.
Em 1651, Michel Le Telier, apresenta-o ao Cardeal Mazarino que o contrata para gerir a sua vasta fortuna pessoal. Antes de morrer, em 1661, Mazarino recomendou Colbert ao rei Luís XIV de França, salientando as suas qualidades de dedicado trabalhador. Nesse mesmo ano o rei fez de Colbert ministro de Estado e, em 1664, atribui-lhe o cargo de superintendente das construções, artes e manufacturas e ainda o de intendente das Finanças.” - Wikipédia

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D