Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A TORTO E A DIREITO

Pretendo que seja um blogue cheio de estórias rutilantes, ainda que às vezes embaciadas. No entanto, sagazes e transparentes, embora com reservas e alguma indecência à mistura. Todavia, honesto.

A TORTO E A DIREITO

Pretendo que seja um blogue cheio de estórias rutilantes, ainda que às vezes embaciadas. No entanto, sagazes e transparentes, embora com reservas e alguma indecência à mistura. Todavia, honesto.

21.08.21

UMA NO CRAVO


João Brito

silêncio vai-se cantar o fado.jpg

Não costumo estar atento aos sermões habituais, que nos dão os fazedores de opinião, sobre o estado da Nação...bem, pelo menos de alguns. Tenho de confessar que também sou um bocadinho tendencioso, mas quem não é?
Às vezes, lá arranjo um pouco de paciência para prestar alguma atenção ao que escrevem e falam os da "concorrência", não obstante antecipar o que sai das suas cabeças, pois é matéria tão recorrente que, às vezes, até se torna doloroso ouvi-los. Todavia, a maior desatenção ao paleio do "inimigo" não significa que o discurso dos do lado de cá da barricada seja mais apelativo; isto que fique bem claro! O chato disto tudo é que o palratório é chapa cinco; já o oiço e leio há décadas. E o diapasão pelo qual afinam, uns e outros, parece ter o mesmo padrão; enfim, com algumas nuaces ideológicas; cada um a defender a sua dama, obviamente, mas, cada vez, mais me convenço de que se estão marimbando para o pagode. Será que ainda pensam que estamos no tempo em que era possível enganar a malta com papas e bolos?
Contudo, mal por mal, antes estes do que os que nos roubaram, com despudor, no tempo da coligação PAF, para, segundo eles, "não hipotecar o futuro de Portugal"...
Julgo que, para se ser político, não se pode ser nobre. Pelo menos neste país. Os exemplos de políticos nobres não fazem a regra, infelizmente.
Mas, ainda em relação a alguns fazedores de opinião, acho que, com a sua aparente capa de inocuidade, permitem-se dizer coisas que outros não podem dizer, ou fazer, embora interiorizem, sob risco de falharem a "progressão na carreira".
Assim, de prudência em prudência, vão-se desviando das pedras soltas da calçada. É claro que há sempre um ou outro que sobressai da monotonia das cautelas e caldos de galinha e não as evita, sem pensar que tem telhados de vidro.
Um discurso conhecido, do seu dedicado amor à Pátria e aos portugueses, era o elogio que faziam, nos anos da trindade Cavaco-PAF-TROIKA, aos credores (vulgo agiotas) e o apelo sistemático ao sacrifício colectivo, sob pena de nos serem aplicadas sanções ainda mais onerosas. Davam uma no cravo e outra na ferradura, escondendo-nos as negociatas que se faziam nos bastidores; os favorecimentos; as ligações nacionais ao "Panama Papers", et cetera.
Houve um, mais inteligente... não, não foi o Barroso, o tal da tanga, que foi gerente dum banco que quase levou um país à falência e agora arranjou mais outro tacho como presidente da Aliança Global para as Vacinas. Este é outro que resolveu abandonar o barco em "boa altura". Mais uma vez a pensar, quiçá, em novos voos a longo prazo. O tempo é a sua arma, contando com a nossa "mirífica" memória curta, talvez, num regresso triunfal à liderança do partido que deixou entregue a uma gaiata e depois a um puto quase lampinho. Sim, esse mesmo: o ainda vice-presidente da Câmara de Comércio que, em 2016, andava numa relação de amor com os irmãos Castro (os cubanos). Até gabava os "papões comunistas", afirmando, para quem o quisesse ouvir, que a sua "ideologia não é ideológica, mas, antes, pragmática". Um espertalhão das dúzias...
Passos Coelho é outra história; é um revanchista dos quatro costados; doeu-lhe muito perder o emprego de primeiro ministro que lhe assentava tão bem. Nomeadamente quando ia prestar vassalagem à senhora Merkel, cada vez que obrigava os portugueses a abrir mais um furo no cinto, cumprindo, assim, de modo escrupuloso, as determinações da senhora e dos seus banqueiros. A "geringonça" ficou-lhe atravessada de tal modo que, sem embargo do drama familiar por que tem passado - presumo - , aparentemente, vem cheio de entusiasmo para atacar à esquerda e à direita, justamente, as hostes apoiantes de Rui Rio. E tem gente de peso, dentro e fora do seu partido, que pensa como ele: Cavaco, Santana Lopes e os passistas do PSD que esperam pela grande oportunidade....
No entanto, na minha modesta opinião, penso que Passos Coelho tem um défice de inteligência abismal em relação a Paulo Portas. Consequentemente, passados estes anos, perdeu a memória e o discernimento, atacando a torto e a direito sem pensar que impugnou a própria governação, nomeadamente, a do último ano do seu mandato. É claro que os indefectíveis da famigerada coligação recorrem invariavelmente ao bode expiatório do costume: Sócrates, outra figura trágica, pela qual também não nutro simpatia de qualquer espécie, como o grande culpado da nossa desgraça.
Voltando a Portas, penso que finge não se interessar pela política partidária, mas estarei cá para ver, mais uma vez, se  é, ou não, irrevogável. Até posso estar enganado...