Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


PORTUGAL DE ABRIL

por João Brito, em 15.04.21

portugal de abril.jpeg

Penso, embora como sempre sem certeza, que a generalidade das pessoas sabe que Portugal, independentemente dos actores do poder e das doutrinas políticas que o têm norteado, criou uma casta, até hoje irremovível, de sacerdotes; uma espécie de guardiões do (seu) templo que, como tal, têm resistido ao longo de gerações a alterações do seu estatuto. E quando refiro o termo "ao longo de gerações", quero dizer que é código que persiste desde tempos afonsinos. Quando mais não seja para perpetuar anos de constantes favores intra-casta e por conta das contas públicas (vulgo o nosso dinheirinho).
Pode ser esse costume e as defesas intransponíveis que em torno dele criaram, o que os tem livrado do ónus da justiça. Esse, somente reservado aos que não movem influências e também àqueles que estão "predestinados" a servirem de exemplo da incorruptibilidade dos princípios em que assenta a "democracia". No mínimo, do fim de um feliz estilo de vida que o mérito por si só, em igualdade de direitos e deveres com os restantes cidadãos, não o garantiria necessariamente.
E pronto, vem mais este desabafo a propósito de quê? Raios partam esta memória! Ah, a propósito do desfecho, mais que previsível, de um processo que se andou a arrastar durante sete anos: a tal "Operação Marquês", com um juiz a demolir a acusação com epítetos como " fantasiosa, inócua, pouco rigorosa" e outras pérolas de deixar estupefacto quem esteve presente no Campus de Justiça, dia 9 de Abril de 2021.
Sete anos e vinte e oito arguidos. No final desta tragicomédia nacional, apenas cinco vão a julgamento por indício de crimes onde não se inclui a palavra corrupção. Adivinha-se mais um arrastar da coisa, com o MP a recorrer da "decisão instrutória" e os advogados dos indiciados a acusarem o MP de manipulação da Justiça, enfim, o folclore habitual. Prevejo um processo com mais um acrescento de milhares de páginas. Quiçá lhe mudem o nome para Operação Marquesa.
‌Com sorte, para os restantes pobres arguidos, pode ser que prescreva...
Um bom pretexto para os novos fascismos se arvorarem em moralizadores do sistema...
Ai, o meu pobre país de Abril!

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D