Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O CASO DO PAI NATAL PERDIDO

por João Brito, em 20.12.19

pai natal3.jpg

A família estava reunida para celebrar mais uma festa de Natal.
Coberta pela linda toalha de croché, bordada pela avó Etelvina ao longo dos últimos noventa e sete anos, nada faltava em cima da mesa. Era, efectivamente, uma mesa farta.
Após terem jantado o bacalhau com todos, como manda a tradição, deliciavam-se agora a devorar as doçarias próprias da quadra.
Entretanto, sem que estivessem à espera de visitas, bateram à porta.
O chefe de família, visivelmente contrariado e apreensivo (pudera!), deixou cair da boca um pedacinho de filhó, prontamente interceptado pelo cão de estimação.
Quem é que se lembraria de interromper um momento familiar tão particular, ademais sem ser convidado e pior: quase à meia noite?! Perguntou quem era:
«Sou o Pai Natal, muito boa noite e paz na terra aos homens de boa vontade! - foi a resposta do lado de fora - Pretendo ir para Boliqueime, mas, como está muito nevoeiro e escuro como breu, acho que me enganei no caminho, valha-me Deus!»
«Eh pá, vai enganar outro, meu, essa já não pega! - exclamou o chefe de família, soltando mais uma miuçalha de filhó, prontamente interceptada pelo cão de estimação - Quem é que ainda acredita no Pai Natal, hã?»
«Eu!» - gritou a criança sem hesitar.
No entanto, apenas por descargo de consciência - afinal celebrava-se mais uma quadra de amor, fraternidade, solidariedade e coisas afins - , entreabriu a porta e todos (menos o menino) desataram a rir desbragadamente. Diria até indecorosamente (passe a redundância). Do lado de fora assomava-se uma figura tragicómica, quase tétrica, trajando o costumário fato vermelho, com um barrete de cor condicente e umas longas barbas brancas, tal e qual o Pai Natal, só que chupado das carochas e aparentemente mal asseado. Ora, toda a gente sabe que o Pai Natal quer-se leitoado, lustrino e limpinho, o que não era, propriamente, o caso. Apesar de tudo, o pobre lá tentou ser o mais convincente que pôde:
«Embora seja difícil de acreditar, garanto-vos que sou o Pai Natal, juro, eu seja ceguinho!»
«Está bem; e eu sou o professor Marcelo!» - Respondeu, sarcástico, o primo Albino que até sofria de albinismo, embora nunca tivesse escalado, sequer, um monte. Mais a mais aquela do professor Marcelo até foi descabida porque é evidente que o homem é bem tisnado!
Feitos alarves, continuaram a rir-se do pobre velhinho que afirmava com toda a veemência, ser o Pai Natal...
Cansados de tanto rirem, deram-lhe meia dúzia de broas castelares e um euro, só para se verem livres dele. Além disso, o miúdo ficou muito assustado e confuso com a figura grotesca do Pai Natal. Para não dizer da avó Etelvina que esteve prestes a engasgar-se com uma passa entalada no gorgomilo, por causa da risota. Temendo que desse algum fanico à velha e lhes estragasse o Natal, fecharam imediatamente a porta na cara do pobre homem, tendo este ficado sem um bocadinho de barba por via da entalação.
Fatigado e muito triste com a falta de solidariedade das pessoas e da Pátria madrasta que o deixara com uma reforma tão miserável que nem lhe dava para as despesas, o Pai Natal deu corda ao burro (queriam renas em Portugal? Dah!) e lá foi a caminho de Boliqueime, afinal a sua terra natal, ao invés da Lapónia. Afinal, o homem é cá dos nossos!

Autoria e outros dados (tags, etc)

carlos henriques marques.jpg

No ano de 1828 do século XIX, Carlos Henriques Marques, um algarvio naturalizado alemão, despertou para a política sem saber como nem porquê. Parece ter sido uma espécie de epifania, mas não passa de mera conjectura, dado que já morreu há muito tempo e, pelo que se sabe, não deixou testamento. Todavia, especula-se que, enquanto a mãe lhe dava a sopinha à boca, estava tão absorto numa lagarta que boiava à superfície do caldo que nem escutou com atenção o debate que decorria na rádio, entre Hegel e Engels.
A dado momento o despertador despertou (claro!) inusitadamente e o jovem Carlos Marques, sobressaltado com o barulho estridente do relógio, deu inadvertidamente com os olhitos na concha da colher de sopa; uma circunstância acidental que, por pouco, não lhe provocou uma catarata no olho esquerdo e a dilatação da menina do olho direito. Se calhar, era porque a menina estava predestinada...perdão, o menino..., enfim, só Deus sabe.
No entanto, como era avesso a contrariedades, apesar de ser uma criança de tenra idade, não desistiu. Ele era um miúdo muito precoce e, por conseguinte, aguentou a dor que nem um homenzinho. Assim, com olho vivo e num volver de olhos, disse à mãe:
«Mãezinha, quando for grande quero ser um político português!»
A mãe, às voltas com a loiça suja e irritada com os esfregões de arame que lhe enferrujavam os fundos dos tachos (não confundir com outros fundos e tachos) e das panelas, replicou:
«Olha, para isso mais vale fazeres só a instrução primária, meu filho! Sim, mais vale! Vê os exemplos do engenheiro Sócrates e do doutor Relvas!
Carlos Marques, acabou de comer a sopa precipitadamente, tendo primeiro o cuidado de colocar a lagarta na beira do prato, correu apressadamente (passe a redundância) para o seu quarto, abriu a escrivaninha, pegou na sua sebenta e escreveu: "Manifest gegen das Kapital", enquanto trauteava a "Tia Anica de Loulé".
Depois deste primeiro episódio, digamos premonitório, passado na sua infância e volvidas algumas décadas, o manifesto que manuscrevera em tenra idade seria passado, de forma clandestina, para lá da fronteira a fim de ser imprimido, dado que, cá, ainda não existia a máquina do Gutemberg e o inventor do estêncil ainda não era nascido. Porém, como foi editado em bilingue, não se vendeu, sequer, um exemplar porque se esqueceram de o traduzir para outras línguas e a língua teutónica era, então, pouco conhecida, assim como a algarvia.
Furibundo com tal insucesso, Carlos Marques terá exclamado "mas estes gajos não sabem rever as provas, porra?!", expressão dramática que estará, eventualmente, na base do revisionismo moderno. Mercê deste lamentável incidente, Marques esteve tem-te não caias para aderir ao euro-comunismo (não confundir com o euro-ecumenismo). Todavia, antevendo maus ventos para o seu pensamento filosófico e para as suas convicções ideológicas, preferiu afastar-se da vida política activa e dedicar-se à criação de frangas, abrindo um aviário em Vila Real de Santo António, em sociedade com Kerensky e Bakounin, um social democrata e um social anarquista, respectivamente.
Detentor de um notável ascendente económico, dado o sucesso imediato do negócio, adquiriu apreciável prestígio e importância sociais. 
Da noite para o dia, Marques tornou-se uma imagem de marca, muito bem paga, deixando crescer o cabelo e a barba e fazendo-se grafitar em muros e paredes pelo MRRPP (Movimento dos Rapazes e Raparigas) que Pintam as Paredes).
Ofereceu um par botas da tropa e um boné ao seu amigo Lenine, por altura do nonagésimo nono aniversário natalício deste e custeou os óculos novos de Trotsky, um pobre proletário míope, cheio de ideias fixas, que tratou como se fosse seu irmão.
No meio de tanta solicitação, envolvência e tempo dedicado à luta pelos direitos dos povos oprimidos, para além de um altruísmo desmedido, ainda lhe sobrou disponibilidade para cometer a proeza de escrever (apenas numa noite!) uma obra que foi "best seller" naquela altura: "O Capital" (Volumes I a III). O primeiro foi um estudo profundo sobre instalações sanitárias públicas e higiene em geral; o segundo versou sobre a gripe das aves e a conservação dos ovos; o terceiro, finalmente (claro!), sobre reinvestimento e fuga de capitais para a Suíça.
Ao contrário do que acontecera com o seu primeiro ensaio "Manifest gegen das Kapital", assumidamente revolucionário, mas pouco mobilizador de massas, "O Capital" vendeu-se que nem água e, naturalmente, Marques ganhou umas massas o que constituiu para a sua apreciável conta bancária, sinal por demais evidente de que os tempos eram favoráveis ao empreendedorismo e afins. Ademais, "O Capital" foi traduzido em tantas línguas e por tantos incompetentes que a sua essência se perdeu no tempo, dando origem às confusões actuais.
Incompreendido, Marques começou a viajar pela Europa. Passou por Paris onde testemunhou o fracasso do socialismo de notrami Miterã e a ascensão do populismo de Le Pénis, comeu algumas francesinhas (pensa-se que foi ele que lhes pagou as passagens para o Porto, onde se instalaram definitivamente até aos nossos dias), beijou, longa e apaixonadamente, Anita Ekberg na Fontana di Trevi em Roma, comeu paelha e valencianas em Valência, turrón em Alicante, et cetera.
Preparava-se, também, para fruir o mundanismo e a fleuma Londrina, à luz dos primeiros candeeiros eléctricos e sob o ruído dos primeiros carros a vapor, quando descobriu que estava teso, tendo-lhe sido cancelados todos os cartões de crédito. Enviou, então, um telegrama a Henry Miller, a quem tinha apresentado anos antes Anaïs Nin e Maria de Medeiros, para que este lhe valesse com dois mil dólares. Como não obteve resposta do amigo (mal agradecido), mendigou anos a fio entre a zona aristocrática de West End e a zona deprimida de East End.
Foi na Pinchin Street que travou conhecimento com Jack , o "estripador" e o "homem elefante", dois amigos que se condoeram com a sua miserável condição e o acolheram na sua água-furtada. Humanamente, era o máximo que podiam fazer para o ajudar porque a vida estava má para todos (menos para a aristocracia, naturalmente!).
Carlos Marques regressou à Alemanha carregado de dívidas, cheio de dúvidas e sem a glória de outrora. No entanto, a sua barba e o seu corte de cabelo continuaram a ser moda desde a Rue de Saint-Lazare em Paris até à rua de São Lázaro em Lisboa. Coco (pronuncia-se cocó) Chanel, Dior, Lapidus, Versage, Ach Brito, Jerónimo de Sousa, Cavaco Silva e o "Barbas" foram alguns dos que espalharam aos quatro ventos e aos sete mares o encanto inconfundível de Marques.
Mas, como dizia, regressado à Alemanha, o nosso teórico socialista é imediatamente preso pela Gestapo, por ordem do chanceler Adolf Hitler, acusado de ser um agitador comunista da pior estirpe e por suspeitas de ligação à Opus Dei (também pensei que não tinha lógica, mas há que convir que o Hitler era um maníaco-depressivo).
Longo foi o cativeiro de Carlos Marques e, durante o seu calvário, apanhou muita chuva e muito vento porque as prisões ainda não eram climatizadas. Consequentemente, apanhou gripe, escarlatina e tosse convulsa. O advogado oficioso nomeado para o defender, esforçou-se, conforme pôde, para lhe fazer ver as razões da detenção. De tal forma o fez, tanta literatura lhe levou que, se até então Carlos Marques tinha sido um comunista convicto, a partir dali passou a ser um anti-comunista primário.
Quando a Alemanha perdeu a guerra e após a libertação do cárcere, a primeira atitude que tomou foi dirigir-se a Vila Real de Santo António, partir a cara a Karensky, dar um pontapé no cu do Zinoviev e soltar a franga, a única sobrevivente do aviário.
Depois desse episódio, Marques, arruinado, velho e cansado, retirou-se para a sua casa de campo na Aldeia da Coelha, comprou um pacote de esferográficas "BIC" (passe a publicidade), oitenta maços de papel cavalinho e, como até então sempre fora um atado, desatou a escrever, compulsivamente, a sua teoria económica do anti-comunismo científico que também chamou de "O capital é que está a dar".
A partir daquela altura tornou-se tão mais teórico do que tinha sido até ali que até plagiou a teoria da relatividade de Albert Einstein, só para lhe fazer pirraça.
Assim, passou Carlos Henriques Marques os últimos anos da sua vida: a escrever, raladíssimo com a profusão de discípulos que copiaram, mal e porcamente, as suas ideias, um pouco por todo o mundo, nomeadamente na Rússia (URSS) onde Josef Stalin, um "social-fascista" georgiano, semi-analfabeto, foi disso o exemplo mais paradigmático (ou o paradigma mais exemplificativo).
Finou-se em Boliqueime no ano de 1883 com um enfarte durante um jogo de xadrez que disputava a Andrey Kasparov, um arménio naturalizado algarvio que, curiosamente, não era xadrezista, mas sofria de ataques de caspa.
Diziam os soalheiros lá da terra que o homem era um bebedor compulsivo de aguardente de medronho. Constava que bebia para esquecer a miséria franciscana em que viveu até ao fim dos seus dias. Contudo, já se sabe que, nestas estórias (ou contos) há sempre quem lhes acrescente uns pontos.
Desde o seu desaparecimento, as suas ideias e obra, continuam a ser incompreendidas, daí a razão pela qual nunca foi nomeado para prémio Nobel de coisa alguma.

Autoria e outros dados (tags, etc)

FELIZ NATAL

por João Brito, em 10.12.19

o presépio1.jpg

Gelukkige Kersfees; Gëzuar Krishtlindjet; Frohe Weihnachten!; ደስተኛ የገና; عيد ميلاد سعيد; Շնորհավոր Սուրբ Ծնունդ; Xoşbəxt çılpaq; Gabonetako zoriontsua; শুভ বড়দিন; З Калядамі; ပျော်ရွှင်ဖွယ်ရာခရစ္စမတ်; Srećan Božić; Честит Коледа; ಹ್ಯಾಪಿ ಕ್ರಿಸ್ಮಸ್; Бақытты Рождество; Happy christmas; Veselé Vánoce; Krisimasi yosangalala; 圣诞节快乐; 聖誕節快樂; සුභ නත්තලක්; 해피 크리스마스; Felice, Natale; Ala bon sa bon Nwèl; Sretan Božić; Xwezî pîroz; God jul; Veselé Vianoce; Vesel božič; Feliz Navidad; Feliĉa christmas; Õnnelik jõulud; Maligayang pasko; Hyvää joulua; Joyeux noel; Beannaichte na Nollaige; Feliz Nadal; Nadolig da; ბედნიერი შობა>>; Happy Χριστούγεννα; હેપી નાતાલ; Happy Kirsimeti; Hauʻoli ka Mele Kalikimaka; חג שמח; हैप्पी क्रिसमस; Zoo siab Christmas; Fijne kerst; Boldog karácsonyt; Obi ụtọ na-atọ ụtọ; Selamat Natal; Keresimesi Ndunú; Nollaig Shona; Gleðileg jól; Buon Natale; ハッピークリスマス; Sugeng Natal; រីករាយថ្ងៃណូអែល; Laimīgi Ziemassvētki; Laimingas Kalėdos; Glécklech Chrëschtdag; Среќен Божиќ; ക്രിസ്തുമസ് ആശംസകൾ; Selamat Krismas; Merħba tal-Milied; Kirihimete Kirihimete; ख्रिसमस शुभेच्छा; Аз жаргалтай Зул сар; शुभ क्रिसमस; مبارک کریسټ; کریسمس مبارک; Wesołych Świąt; ਨੇਟਲ ਫਲੀਜ਼; Наталь Фелиз; Натал Фелиз; نالو فيلڊ; Glad jul; สุขสันต์วันคริสต์มาส; Хушбахт Хушбахт; சந்தோஷமாக கிறிஸ்துமஸ்; హ్యాపీ క్రిస్మస్; Mutlu noeller; Щасливий Різдво; مبارک ہو کرسمس; Baxtli Rojdestvo; Chúc mừng giáng sinh; Kristmas e vuyayo; I-christmas ejabulisayo, segundo o tradutor do Google que eu, de línguas, pesco zero.
P.S.: Se deixei cair algumas línguas, para além das vivas, nomeadamente línguas mortas ou línguas da sogra, esclareço, desde já, que a culpa é do Google.

Autoria e outros dados (tags, etc)

PETIÇÃO PATÉTICA DE JUDAS ESCARIOTES

por João Brito, em 05.12.19

petição patética de judas escariotes.jpg

Com a assinatura do conhecido apóstolo, reconhecida em escritório de notário (não confundir com São Judas Tadeu que foi um verdadeiro santo, benza-o Deus!), também conhecido pelos epítetos de "o trinta dinheiros" e "o beijoqueiro", foi entregue na Procuradoria Toponímica Bíblica, à rua de São Roque da Lameira, ao cuidado de Santa Ifigénia da Etiópia (não confundir com Santa Efigénia de Aquiles que não foi tida nem achada), um pedido de supressão, com efeito rectoactivo, da expressão onomástica, de origem duvidosa, "Cu de Judas". Recorde-se que tal pedido foi feito com carácter de urgência, dado que é um carácter que não permite dilações de tempo. Daí, o seu carácter de urgência.
O conhecido apóstolo aduz, em defesa deste inédito rogo, que já vai sendo tempo de a tradição judaico-cristã deixar de lhe estigmatizar aquela parte do corpo porque, segundo a sua opinião pessoal (ou não fosse a sua opinião), é injusto que as pessoas persistam, passados milénios, em fazer insinuações maliciosas como, por exemplo, "estar no Cu de Judas" ou "ir ao Cu de Judas" e outras vilezas de gente reles e ignorante que em nada abonam a favor do conhecimento etimológico dos topónimos. Além de que a única referência que há sobre a existência de tal sítio, leva-nos até uma zona montanhosa na freguesia de Água Retorta na Ilha de São Miguel nos Açores e com alguma reserva. Se algum açoriano, porventura, passar por aqui e estiver no Cu de Judas, faça o favor de se pronunciar!
Para que se deixe de mencionar "Cu de Judas", susceptível a interpretações ambíguas, sugere, em alternativa, algumas expressões menos manifestas e, por conseguinte, mais abonatórias para o seu bom nome e reconhecido contributo para o conhecimento histórico da Cristandade. Por exemplo:
O "Assento de Santo Agostinho"; o "Fundo da Agulha de Coser de Santa Catarina"; o "Annus (não confundir com a palavra ânus que se presta muito a trocadilhos) Horribilis de São Teotónio"; o "Buraco Negro de Santa Hermengarda" e, finalmente, o "Túnel de São Gotardo".

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D