Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A TORTO E A DIREITO

Pretendo que seja um blogue cheio de estórias rutilantes, ainda que às vezes embaciadas. No entanto, sagazes e transparentes, embora com reservas e alguma indecência à mistura. Todavia, honesto.

A TORTO E A DIREITO

Pretendo que seja um blogue cheio de estórias rutilantes, ainda que às vezes embaciadas. No entanto, sagazes e transparentes, embora com reservas e alguma indecência à mistura. Todavia, honesto.

18.11.16

O PROTOCOLO


João Brito

a rainha e o presidente.jpg

Pela primeira vez, no seu ainda curto mandato como PR, o professor Marcelo cumpriu o protocolo e usou um "kilt" escocês durante a visita ao Palácio de Buckingham.
No breve encontro que teve com Isabel II, recordou os seus tempos de criança e relatou o seu testemunho, na primeira pessoa, aquando da visita da soberana a Portugal em 1957:
«Quando Vossa Majestade Imperial chegou ao Terreiro do Paço acompanhada pelo presidente Craveiro Lopes, eu estava lá, com o papá Baltazar, na primeira fila da plateia, ansioso por lhe dar um beijinho e tirar um "selfie"...»
«Ah, sim, lembro-me perfeitamente que era o senhor, a sua cara não mudou nada, igualzinho, igualzinho! Oh my God, it's awesome!»

09.11.16

RETRATO DE DAMA COM COMICHÃO NAS COSTAS


João Brito

retrato de dama com comichão nas costas.jpg

A grande virtude deste novo romance de Branca-flor Epitalâmio será, por hipótese (se quiserem também pode ser por acaso ou porventura), o facto de se chegar à última página sem se ficar a saber qual era o tema da narrativa ou se, com efeito, terá havido narrativa; mesmo com efeito retroactivo.
Estória situada na linha pensadora e descritiva das grandes obras da literatura clássica como "Quand j'étais jeune, j'aimais putains et vin vert", de um grande escritor franco-mação chamado Marie Mónique de La Forêt, maravilhoso fresco onde Branca-flor foi colher a inspiração que lhe faltava para o arranque desta ficção acerca do amor. Aliás, um pouco na sequência de outro belíssimo livro, titulado "O amor é lindo porque sim, prontos!".
Branca-flor foi mais longe e aventurou-se no território desconhecido da ambiguidade semântica, situando-se no plano inclinado de uma diacronia que diria quase neurótica ou nevrótica, se vos apraz.
Neste "Retrato de dama com comichão nas costas" perde-se, assumidamente, a capacidade significativa do discurso apócrifo em favor da acumulação vivencial de vocábulos, nomes, breves notas dissonantes de chocolate e frutos vermelhos, contactos telefónicos, contas para pagar, o carteiro toca sempre duas vezes, o padeiro toca três, interjeições significativas de volúpia, et cetera.
Articula-se de tal modo a escrita cuneiforme, cunctatória e contemporizadora - passe o circunlóquio - em torno daquilo a que chamaríamos uma devoradora paixão pelo "Prazer Solitário"; uma evocação misantrópica do grande poeta e dramaturgo John Smith Dick, contemporâneo de Frank Smart Jr. (que não é tido nem achado nesta estória).
Senão, vejamos a páginas poucas: "Maria Agripina Freitas Sanches do Ó... meu Deus, sou tão linda! Dia 23 escova de dentes ultra-suave, um pensinho para o dia a dia...vaselina...truca-truca, zuca-zuca, floc-floc, ai, Balecas, aqui não q'os telhades 'tão baixes, filhe!", (...).
Com absoluta convicção, digo que este romance, embora tenha um carácter procrastinatório, é definitivamente procrastinativo, pois é atravessado pelos temas da proximidade e da iminência - passe a redundância - , sempre adiados, uma vez que, página a página, vai aumentando a expectativa sobre o desfecho da narrativa inconsistente, eminentemente parda, como é apanágio de Branca-flor. São cerca de cinquenta páginas, mais coisa, menos coisa, de leitura perplexamente fascinante que, simultaneamente, nos deixam com uma agradável sensação de modorra.
A recusa da estória como catarse fácil de quem a lê, é, só por si, um acto de coragem da autora e uma chapada de modernidade no lodo da nossa literatura.
Julgo que ainda está à venda num quiosque perto de si e lê-se naquele intervalo entre a sanita e o bidé porque até ao lavar dos dentes é vindima.
Nota: Esta publicação teve o patrocínio da APHO (Associação Portuguesa de Higienistas Orogenitais).